Início » Blog » Guerra na Ucrânia: Antecedentes

Relações internacionais, Notícias, Guerra

Guerra na Ucrânia: Antecedentes

Visualizações: 746 Acontecimentos na Ucrânia A Ucrânia está em meio à guerra civil desde os golpes de 2014 - o golpe nacionalista ucraniano em Kiev e o …

by Stephen Shenfield

Publicado em:

Atualizado:

4 min read

Desenvolvimentos na Ucrânia

A Ucrânia está em guerra civil desde os golpes de 2014 – o golpe nacionalista ucraniano em Kiev e no oeste e o contragolpe no leste.  

A divisão entre o oeste e o leste da Ucrânia remonta ao século 19th século, quando a Ucrânia foi dividida entre os impérios austro-húngaro e czarista. O leste da Ucrânia, onde se concentra a indústria do país, é principalmente de língua russa e depende de laços econômicos com a Rússia, enquanto o oeste da Ucrânia é voltado para a Europa. Yanukovych, que foi presidente em 2010-2014, tentou manter a Ucrânia unida desenvolvendo relações econômicas mais estreitas com a UE e a Rússia, mas a UE insistiu que ele escolhesse – ele não poderia fazer as duas coisas. Como representante da capital do leste ucraniano e seu Partido das Regiões, ele não podia se dar ao luxo de romper os laços com a Rússia. Isso o colocou em desacordo com os ucranianos do oeste, que aspiravam se juntar a uma 'Europa' idealizada, e em 2014 ele foi derrubado.

O 'Maidan' – o movimento que derrubou Yanukovych – começou com protestos pacíficos em massa contra a corrupção, mas evoluiu para uma luta violenta entre a tropa de choque e os nacionalistas ucranianos extremistas. O regime que emergiu, com o apoio e orientação de políticos e propagandistas ocidentais, era de espírito semifascista, apesar de um fino verniz democrático.[1] Sua hostilidade aos russos étnicos e cidadãos de identidade étnica mista e um massacre de ativistas russos em Odessa causaram terror nos corações dos orientais, que responderam com o 'anti-Maidan' - uma revolta contra o Maidan.

O anti-Maidan também começou com manifestações pacíficas e até compartilhou alguns temas com o Maidan, como a preocupação com a corrupção. Mas também foi dominado por nacionalistas militaristas – nacionalistas russos neste caso. O processo foi mais longe nas duas províncias mais orientais, onde surgiram mini-estados separatistas chamados República Popular de Donetsk (DPR) e República Popular de Lugansk (LPR), apoiados e manipulados pelo governo russo e organizações nacionalistas russas. 

O novo governo ucraniano conduziu uma 'operação antiterrorista' para esmagar o DPR e o LPR e reincorporar seu território. A guerra civil arrastou-se espasmodicamente, sem resultados decisivos. Dois milhões de pessoas fugiram da zona de guerra e se tornaram refugiados.   

Comunidades inteiras em partes da Ucrânia resistiram ao recrutamento, não querendo sacrificar seus filhos por uma causa que não os preocupava. A imunidade à propaganda nacionalista é especialmente característica de pessoas com identidades étnicas mistas, como ucranianos residentes há muito tempo na Rússia e filhos de casamentos russo-ucranianos. A maioria das pessoas no leste da Ucrânia não vê contradição em se identificar simultaneamente como russo e ucraniano (em muitos lugares eles falam uma mistura das duas línguas chamadas surzhyk). Quando entrevistados, os moradores da zona de guerra tendem a culpar tanto o governo ucraniano quanto o russo. 

Rússia e seu 'exterior próximo'

Um requisito de segurança fundamental para os líderes soviéticos era que a URSS fosse cercada por um cinturão de estados que eram aliados ou pelo menos 'neutros amigáveis' (como a Finlândia do pós-guerra). 'Amizade' implicava vontade de desenvolver laços econômicos e culturais, consultar regularmente o Kremlin e abster-se de campanhas de propaganda ofensivas. Acima de tudo, significava não aderir a alianças militares hostis como a OTAN.

Essa atitude foi herdada pelos líderes da Rússia pós-soviética, exceto que agora o cinturão de vizinhos amigos deveria consistir principalmente de outros estados pós-soviéticos. Devido à sua herança soviética e czarista compartilhada, esses estados são considerados menos "estrangeiros" do que os países além das antigas fronteiras. As duas zonas passaram a ser referidas como 'o exterior próximo' e 'o estrangeiro distante'. 

Já não é considerado essencial que todos os as ex-repúblicas soviéticas pertencem a esta 'vizinhança amiga'. Agora é aceito como um fato da vida que os estados bálticos vão permanecer "hostis". No entanto, essa tolerância não se estende aos três grandes estados do interior da Bielorrússia, Cazaquistão e Ucrânia. Bielorrússia e Cazaquistão continuam 'amigáveis', mas desde 2014 a Ucrânia não se comportou de maneira 'amigável'.

Isso tem um impacto imediato na abordagem de Moscou às questões de fronteira. Quando a União Soviética se desfez em 1991, as fronteiras administrativas internas entre suas "repúblicas da união" subitamente se transformaram em fronteiras interestaduais, embora não refletissem de perto o padrão de assentamento étnico. A comunidade internacional, no entanto, logo começou a tratá-los como não menos invioláveis ​​do que quaisquer outras fronteiras interestaduais. 

O Kremlin também aceitou essas fronteiras, mas não incondicionalmente. Fronteiras com vizinhos "amigáveis" eram aceitas, por mais anômalas que pudessem parecer, porque as questões de fronteira não eram consideradas importantes o suficiente para justificar a deterioração das boas relações ao criá-las. Assim, a Rússia nunca se opôs à inclusão no Cazaquistão de grandes áreas no norte e no leste com populações predominantemente de língua russa, e não deu apoio às tentativas de secessão dos nacionalistas russos nessas áreas. O Kremlin também não contestou a fronteira da Rússia com a Ucrânia até 2014, quando a derrubada de Yanukovych foi rapidamente seguida pela anexação da Crimeia, revertendo assim a transferência de Khrushchev da península da Rússia soviética para a Ucrânia soviética. Para o Kremlin, a postura anti-russa do novo governo de Kiev também justificava o apoio às “repúblicas populares” separatistas no leste da Ucrânia.

Expansão da OTAN

A expansão da OTAN para o leste, especialmente quando se estende para o 'estrangeiro próximo' e até as fronteiras da Rússia, é uma amarga queixa da elite do poder da Rússia. Isso ocorre porque viola o requisito de segurança de uma 'vizinhança amigável' profundamente enraizada em sua psique. É também porque viola as promessas verbais feitas por políticos ocidentais a Gorbachev de que se ele permitisse a união da Alemanha e a permanência da Alemanha na OTAN, a OTAN não se expandiria "um centímetro para o leste". Essas promessas foram 'esquecidas' sob pressão dos fabricantes de armas americanos, cujas vendas estavam diminuindo devido à melhora das relações com a Rússia e que buscavam novos mercados na Europa Oriental.[2]

Daí o sentimento dos líderes russos de que a Rússia – e eles pessoalmente – foram enganados, enganados e humilhados. Certamente é compreensível que eventualmente chegue um momento em que, por uma questão de auto-respeito, eles digam 'basta' e 'assumam uma posição firme' em defesa dos interesses centrais do estado como eles os percebem. 

A Rússia primeiro 'tomou uma posição firme' contra a expansão da OTAN quando invadiu a Geórgia em 2008, em parte para impedir que a Geórgia aderisse à OTAN. Como a Geórgia ainda não aderiu à OTAN, essa guerra – juntamente com o subsequente reconhecimento pela Rússia da independência da Abcásia e da Ossétia do Sul – pode ter alcançado o seu objetivo, embora a Geórgia possa ter permanecido fora da OTAN mesmo sem a intervenção russa. A invasão da Geórgia abriu um precedente para o confronto com a Ucrânia quando esta adotou o objetivo de ingressar na OTAN.  

Uma divisão profunda

Muitos sinais surgiram nas últimas semanas de uma profunda divisão dentro da elite do poder da Rússia sobre a conveniência de invadir a Ucrânia. Dois oficiais superiores do exército, um aposentado do Ministério da Defesa e outro do Estado-Maior, alertaram publicamente contra a perspectiva de ocupação prolongada de uma população hostil. As principais ameaças à Rússia, declararam, são internas, como corrupção e declínio demográfico. Proeminentes especialistas civis também argumentaram – como Andrei Kortunov, diretor do Conselho de Assuntos Internacionais da Rússia, foi citado em São Petersburgo Online – que 'qualquer análise mostra que a guerra é uma desvantagem para a Rússia'.  

Nossa Atitude

Os socialistas não precisam sentir grande tentação de tomar partido nas disputas entre a Rússia e a Ucrânia. Em ambos os países, a riqueza está concentrada nas mãos de ricos capitalistas conhecidos como 'oligarcas', que são donos dos meios de comunicação de massa e controlam os partidos políticos. (Uma diferença é que a Rússia sob Putin, ao contrário da Ucrânia, adquiriu um estado forte o suficiente para limitar a rivalidade e o poder político dos oligarcas.) A corrupção continua desenfreada em ambos os países, apesar dos melhores esforços de Maidan e ativistas anti-Maidan. Os direitos humanos e democráticos existem no papel, mas tente exercê-los e você se encontrará à mercê de vigilantes nacionalistas e agências de segurança paranóicas. Grupos fascistas estão ativamente engajados em ambos os lados. A esquerda antinacionalista está enfraquecida pela profundidade das divisões étnicas e religiosas e pela contínua associação de 'socialismo' e 'comunismo' com o passado soviético. 

Como sempre, pedimos aos nossos companheiros de trabalho na Rússia e na Ucrânia que reflitam. Onde estão seus verdadeiros interesses? Com 'seus próprios' oligarcas e políticos? Com os oligarcas e políticos do outro lado? Ou um com o outro?

Notas

[1] Para uma análise mais completa, veja meu: 'Ucrânia: levante popular ou golpe fascista?' 

http://stephenshenfield.net/themes/international-relations/164-ukraine-popular-uprising-or-fascist-coup

[2] Para um relato detalhado de como isso aconteceu, veja Andrew Cockburn, Os despojos de guerra: Poder, Lucro e a Máquina de Guerra Americana (Verso, 2021), Capítulo 6. See More

Foto do autor
Cresci em Muswell Hill, no norte de Londres, e entrei para o Partido Socialista da Grã-Bretanha aos 16 anos. Depois de estudar matemática e estatística, trabalhei como estatístico do governo na década de 1970 antes de ingressar em Estudos Soviéticos na Universidade de Birmingham. Eu era ativo no movimento de desarmamento nuclear. Em 1989, mudei-me com minha família para Providence, Rhode Island, EUA, para assumir um cargo no corpo docente da Brown University, onde lecionei Relações Internacionais. Depois de deixar a Brown em 2000, trabalhei principalmente como tradutora de russo. Voltei ao Movimento Socialista Mundial por volta de 2005 e atualmente sou secretário-geral do Partido Socialista Mundial dos Estados Unidos. Escrevi dois livros: The Nuclear Predicament: Explorations in Soviet Ideology (Routledge, 1987) e Russian Fascism: Traditions, Tendencies, Movements (ME Sharpe, 2001) e mais artigos, artigos e capítulos de livros que gostaria de recordar.

Artigos Relacionados

Subscrever
Receber por
convidado
Este site usa o plug-in de verificação do usuário para reduzir o spam. Veja como seus dados de comentários são processados.
0 Comentários
Comentários em linha
Ver todos os comentários