Início » Nossa atitude para com a religião

Nossa atitude para com a religião

Foto por Pedro Lima on Unsplash

O Movimento Socialista Mundial se opõe à religião. Por que é que?            

Existem muitas religiões. Muitos mais existiram no passado. O que eles compartilham é a crença em um ou mais seres sobrenaturais poderosos, geralmente chamados de deuses ou deusas, que exigem que os seres humanos os reverenciem, temam, obedeçam e adorem.[1]  

Ao contrário da ciência, que em princípio se baseia na observação, experimentação e raciocínio lógico, a crença religiosa se baseia em fé cega sozinho. Os teólogos podem tentar fortalecer a fé com o raciocínio, mas as conclusões que devem ser alcançadas são definidas de antemão. 

O estudo comparativo das religiões e sua história leva à conclusão de que as crenças religiosas são produtos da mente e da imaginação humana. Não foram os deuses que criaram os seres humanos, mas os seres humanos que criaram os deuses.[2] 

Nossa espécie não pode esperar livrar-se de sua atual condição perigosa sem se engajar no pensamento racional na escala mais ampla possível. A religião é uma das principais barreiras para a expansão do pensamento racional.

A religião pode minar a confiança das pessoas em suas capacidades individuais e coletivas. Desvia sua atenção dos problemas materiais da vida neste mundo. 

A religião é uma das principais forças que dividem a classe trabalhadora global, colocando um grupo de trabalhadores contra outro. O efeito de divisão é intensificado quando a religião se combina em uma mistura tóxica com o nacionalismo – um fenômeno observado recentemente em países tão distantes como Estados Unidos e Polônia (cristianismo), Israel (judaísmo), Irã, Iraque, Arábia e Paquistão (Islã), Índia (Hinduísmo) e Mianmar e Sri Lanka (Budismo).

De todas essas e de outras maneiras, a religião impede o crescimento da classe trabalhadora global e da consciência humana e também, portanto, do movimento pelo socialismo mundial. 

Percebemos que a religião pode ter efeitos positivos e negativos na vida do crente. Por um lado, agrilhoa e humilha a personalidade humana. Especialmente prejudicial é o terror inspirado pelo medo do castigo divino. Por outro lado, as crenças religiosas costumam ser uma fonte de consolo e consolo. Eles podem dar propósito e significado a uma vida que de outra forma pareceria caótica, cruel e absurda. No entanto, a participação na luta por uma sociedade melhor também pode proporcionar esses benefícios. 

Estas palavras de Marx ainda soam verdadeiras hoje:

O sofrimento religioso é, ao mesmo tempo, a expressão do sofrimento real e o protesto contra o sofrimento real. A religião é o suspiro da criatura oprimida, o coração de um mundo sem coração e a alma de condições sem alma. É o ópio do povo.

A abolição da religião como felicidade ilusória do povo é a exigência de sua felicidade real. Exortá-los a desistir de suas ilusões sobre sua condição é exortá-los a desistir de uma condição que requer ilusões.[3]

Embora nos oponhamos à religião, também nos opomos a qualquer perseguição ou assédio de pessoas por causa de suas crenças religiosas ou filosóficas. Defendemos a total liberdade de crença e prática religiosa, exceto nos casos em que viola os direitos humanos, especialmente os direitos da criança. Defendemos a liberdade de sair e ingressar com segurança em qualquer comunidade religiosa e a liberdade de expressar publicamente com segurança opiniões religiosas e anti-religiosas. 

Nossa crítica à religião não se aplica à crença na existência de um poder cósmico impessoal (deísmo) ou essência onipresente (panteísmo) que nada exige dos seres humanos, mesmo que tal poder seja chamado de 'Deus'. Também não se aplica a crenças em 'energia espiritual' ou a práticas inofensivas como 'comunhão com a Natureza'. Não consideramos crenças e práticas desse tipo religiosas e não tomamos posição sobre seu valor ou validade. 

Notas

[1] Em algumas religiões, como o confucionismo, os espíritos dos ancestrais são adorados. Algumas religiões exigem que Deus seja amado e também temido. Muitos exigem a realização de rituais. Antigamente era comum fazer sacrifícios aos deuses; isso é mais raro hoje.    

[2] Ver: John Keracher, Como os Deuses Foram Feitos (1929).

[3] Da introdução ao Uma Contribuição à Crítica da Filosofia do Direito de Hegel (1843).