Home » FÓRUM: Jornal de Discussão Interna do SPGB

FÓRUM: Jornal de Discussão Interna do SPGB

Enviado por jondwhite on libcom.org.

Note: Em meados da década de 1950, o Partido Socialista da Grã-Bretanha publicou um jornal mensal de discussão interna chamado PROFISSIONAIS. Alguns artigos foram contribuídos por membros do Partido Socialista Mundial dos Estados Unidos. Como muitas questões discutidas nesta revista ainda são atuais, reproduzimos uma história de PROFISSIONAIS escrito em 1995 por dois sócios do SPGB, acompanhado de links para arquivos pdf contendo a série completa dos 43 exemplares impressos.

Uma breve história de PROFISSIONAIS, o Diário Interno do Partido, 1952-1959

Steve Coleman e Stan Parker

PROFISSIONAISA vida relativamente breve de como publicação do Partido durou um período de grande controvérsia. No início dos anos 1950, um pequeno número de membros começava a questionar o que poderia ser chamado de “a palavra”: a ideia de que o teste decisivo de um socialista era se ele (quase sempre era um “ele”) concordava em termos literais com o Declaração de Princípios redigida pelo partido em 1904 ou não. A disputa se estendeu a uma série de outras áreas, nem todas “internas” porque muitas delas estavam preocupadas em como “fazer” socialistas de forma mais eficaz. Naquela época, os fóruns falados precediam e funcionavam ao lado dos impressos. PROFISSIONAIS. Reuniões eram realizadas quase todos os sábados na Sede sobre uma ampla gama de assuntos, como se o Partido deveria disputar eleições, a melhor forma de apresentar o caso do Partido, se haveria produção em massa ou uma divisão entre cidade e campo no socialismo, e assim por diante. sobre.

Ascensão e queda

O lançamento de PROFISSIONAIS em outubro de 1952 não foi nada fácil. O procedimento formal começou com uma série de moções apresentadas na reunião do Comitê Executivo em 25 de março daquele ano. A redação e o destino desses movimentos falam muito sobre a atmosfera em que PROFISSIONAIS nasceu:

“Que provisoriamente o IPJ consiste em artigos teóricos, controversos ou não, de membros do Partido preocupados com o objeto e a política do Partido e que seja para circulação dentro do Partido.” Perdeu por 6-7.    

“Que o Comitê prepare uma minuta da carta que se propõe a enviar às filiais e a submeta à CE.” Levado 10-4.

“Que os termos de referência do Comitê do IPJ sejam os seguintes: 'Publicar um jornal contendo artigos de natureza controversa, educacional ou informativa que possam ser úteis aos membros em relação ao caso e à organização do Partido em geral'.” Transportado 7-6.

“Que uma sinopse da primeira edição seja submetida ao CE antes da publicação.” Perdeu por 5-7.

Assim, pela margem mais estreita, a CE decidiu que não precisava vetar os artigos submetidos à PROFISSIONAIS e que o Comitê do IPJ poderia cumprir seus termos de referência mais ou menos sem supervisão. Três membros — Price, Waite e Parker — foram nomeados para o Comitê em março, mas Price renunciou no final de abril, e Waters foi nomeado logo depois. Durante os meses seguintes, o Comitê esteve ocupado preparando o primeiro número. Eles obtiveram orçamentos para impressão: 1,000 cópias de uma edição de 4 páginas custariam £ 17; 500 seria £14. A CE votou cautelosamente 6-5 para 500 cópias e concordou que o preço seria 6d (2.5 pence novos).

A primeira edição de PROFISSIONAIS apareceu em meados de outubro e despertou muito interesse no Partido. O Comitê pôde informar à CE em 28 de outubro de 1952 que 850 exemplares haviam sido vendidos. O Comitê optou por uma tiragem de 1,000 contra a instrução da CE porque as filiais responderam bem ao convite para fazer pedidos e houve mais vendas do que os pessimistas esperavam. As 11,000 palavras da primeira edição estavam em letras bem pequenas e o CE concordou com a proposta do Comitê de que a segunda edição deveria ter 8 páginas em letras mais legíveis.

Depois disso, a CE foi chamada a tratar apenas de alguns assuntos relativos PROFISSIONAIS. Eles autorizaram mudanças na composição do Comitê. Houve uma preocupação entre alguns membros de que PROFISSIONAIS não devem ser colocados à venda para não membros e esta visão foi endossada em uma decisão da CE.

Provavelmente é justo dizer que o partido do meio (a opinião da maioria em determinado momento) nunca ficou satisfeito com os fóruns ou com PROFISSIONAIS. As atas do CE registram insatisfação com a realização de fóruns da Sede por um ramo, alegando que isso tomava tempo dos membros para não propagar ideias socialistas entre os trabalhadores - uma opinião que não se limitava a um ramo. Em 1954 Camberwell Branch queria suspender a publicação de PROFISSIONAIS em vista da “séria situação financeira” do Partido. A última e 43ª edição impressa da PROFISSIONAIS apareceu em maio de 1957, embora quatro edições duplicadas posteriores tenham sido publicadas, a última em maio de 1959.

Conteúdo

Para ler as quase meio milhão de palavras publicadas em PROFISSIONAIS é obter uma visão considerável sobre a natureza e as atividades, os problemas e as controvérsias do SPGB ao atingir seu primeiro meio século de existência. Toda a vida socialista estava lá: o erudito e o idiota, o autoritário e o libertário, o declamador e o difamatório, o esperto e o esperto demais.

A estrela do programa durante quase os dois primeiros anos de publicação foi indiscutivelmente a série intermitente de artigos de Frank Evans sob o título 'A Natureza da Revolução Socialista'. Em oito partes, algumas em seções espalhadas por diferentes questões de PROFISSIONAIS, esta série foi impressionante em sua extensão histórica e imaginativa. Os críticos reclamaram que Evans frequentemente falhava em deixar claro seu significado: suas frases eram longas, seu estilo variando do lírico ao opaco. Seu exame crítico da sabedoria recebida do Partido nunca foi conflituoso, muitas vezes conciliatório, mas, em última análise, duro. Isso o levaria a manter a filiação partidária apenas por um período após a revolta de 1955, da qual falaremos mais abaixo.

Os primeiros e médios problemas de PROFISSIONAIS lidou com uma variedade de assuntos mais ou menos controversos. A maioria deles poderia ser interpretada como relacionada de alguma forma com a defesa do socialismo de forma mais eficaz para ganhar novos membros. O Partido havia comprado recentemente a 52 Clapham High Street e, embora suas instalações fossem apreciadas por alguns membros, outros observaram que estava custando caro administrá-lo e queriam vendê-lo e usar o dinheiro para publicar mais literatura, anunciar e realizar reuniões, etc.

Um desacordo sobre se a cédula poderia ou deveria ser usada para alcançar o socialismo envolveu nossos camaradas americanos, particularmente Cantor e Rab. Um lado insistiu que a cédula é o único caminho; o outro permitia que, em certas condições, “a maioria usaria quaisquer outros meios disponíveis para introduzir o socialismo” (outubro de 1952). As diferenças sobre a atitude do Partido em relação aos sindicatos surgiram quando o Padrão publicou um editorial condenando os trabalhadores da DC Thomson por se recusarem a imprimir um artigo apoiando o lado do empregador em uma disputa comercial. Os colaboradores do FORUM apoiaram e se opuseram às opiniões expressas naquele editorial (outubro, novembro de 1952).

Outra controvérsia inicial foi se o Partido deveria disputar as eleições. Este iria correr e correr. Trotman errou na primeira edição, argumentando inter alia que obtivemos melhor valor com pequenos anúncios. Ele recebeu uma resposta robusta na edição seguinte de Horatio, o pseudônimo preferido de Harry Young (exceto na edição de abril de 1955, quando ele se “expôs”). Em janeiro de 1954, Paddington Branch criticou como negativo o discurso pré-eleitoral enviado pelo partido. Em junho, o ramo ofereceu seu próprio projeto de discurso para a eleição geral e, em julho, D'Arcy escreveu uma forte crítica a esse discurso.

O tema de como será o socialismo realmente envolveu duas controvérsias: devemos falar sobre tudo isso e, em caso afirmativo, o que devemos dizer? O tópico apareceu em vários fóruns da Sede, mas SRP (Stan Parker) começou a rolar em PROFISSIONAIS em dezembro de 1952, perguntando "Haverá produção em massa?" e respondendo afirmativamente. Tony Turner respondeu em fevereiro de 1953 discordando e argumentando que com o socialismo a distinção entre cidade e campo seria abolida. Em março, a SRP voltou a tratar de ambas as questões e, em abril, JM Roe defendeu a produção socialista em massa. Sobre a questão mais ampla de se devemos em nossa propaganda tentar dar alguma ideia de como será o socialismo, Peter Newell (julho) concordou com isso e acusou alguns membros de não querer o socialismo de forma alguma, mas apenas um capitalismo glorificado.

A questão se a propaganda socialista deveria ser seletiva ou não foi veiculada em PROFISSIONAIS. Turner afirmou (março de 1953) que “não é verdade que há pessoas que têm pouco ou nada a ganhar com o estabelecimento do socialismo” e que, consequentemente, não devemos ser seletivos em nossa propaganda, por exemplo, dirigindo-nos apenas à classe trabalhadora. Na edição seguinte, John McGregor não atacou diretamente essa posição, mas destacou que “diferentes origens ambientais criam diferenças de ponto de vista entre as pessoas, o que torna algumas mais receptivas à propaganda socialista do que outras”.

Então havia (e ainda há) a questão de saber se o capitalismo produz miséria crescente para a classe trabalhadora e a questão aliada de saber se os trabalhadores melhoraram de situação. Horatio (outubro de 1953) argumentou que as coisas geralmente pioraram para os trabalhadores; um escritor misterioso chamado H. (novembro) rebateu esses argumentos em um estilo muito semelhante ao de Hardy. Horatio fez outra tentativa em maio de 1954, afirmando que “a crescente miséria dos trabalhadores é um eixo da economia socialista”. EW (Wilmott) entrou na briga em junho com um relato cuidadosamente fundamentado da economia marxista, duvidando se as condições dos trabalhadores pioraram ou vão piorar.

Esta breve revisão de PROFISSIONAIS as controvérsias não podem terminar sem referência à mãe e ao pai de todas elas: aquela entre aqueles que queriam mudar a Declaração de Princípios porque achavam que ela não expressava adequadamente a defesa contemporânea do socialismo e aqueles que queriam preservar essa declaração porque a viam como base para filiação ao Partido e desacordo com ele como motivo para expulsão. Um relato completo dessa controvérsia ocuparia mais páginas do que destinamos para toda esta revisão histórica. Pelo menos 20 membros escreveram para PROFISSIONAIS sobre um aspecto ou outro da controvérsia e mais compareceram aos fóruns de sábado que trataram disso. Aqui, a título de resumo, reproduzimos os principais pontos da declaração conjunta (abril de 1955) de Evans, Parker, Rowan e Turner que levou os três últimos a deixarem o Partido após ameaça de expulsão, juntamente com declarações de quatro representantes de o status quo do Partido naquele momento:

Sugerimos que a base da adesão poderia ser um acordo sobre os princípios mais ou menos como segue:

COMPREENDENDO que a mudança social é contínua e que a mudança nas atitudes dos homens e em suas instituições sociais é um processo;

RECONHECENDO que o desenvolvimento da atual sociedade (capitalista) inclui a mudança das instituições de propriedade e autoridade (as instituições de classe, poder e privilégio) em direção ao socialismo;

RECONHECENDO E DESEJANDO o socialismo como um modo de vida caracterizado pela produção exclusivamente para uso como parte integrante de uma sociedade mais livre, igualitária e harmoniosa; e

ENTENDENDO que o propósito do Partido Socialista é estimular o surgimento de uma sociedade socialista, encorajando o crescimento de tendências socialistas em atitudes e instituições.

Os autores negaram explicitamente que tenham apresentado esses princípios “como um ultimato ou como um programa a ser agora adotado . . . Estamos preocupados apenas que esta declaração alternativa de princípios e políticas socialistas seja discutida pelos membros como um todo, sem pressa e pelo tempo que for necessário para trazer à tona tudo o que ela implica”.

As declarações que sustentam o D of P de 1904 e atacam seus críticos incluem as de HB (Harry Baldwin) (maio de 1954), D'Arcy (junho de 1954), JG Grisley (janeiro de 1955) e Harry Young (abril de 1955):

Baldwin

Como a classe trabalhadora é a última classe sujeita da história, só ela pode desapropriar os parasitas capitalistas (ou eles vão abdicar?), essa desapropriação será o ato final de luta de classes (o ato de acabar com as classes): uma luta travada incessantemente ao longo da vida do capitalismo. A classe capitalista é uma classe reacionária de saqueadores: a classe trabalhadora é a única classe revolucionária.

D'Arcy

Minha opinião é que a própria natureza da questão 'Socialismo — como será?' é um absurdo. Você só pode descrever os sistemas sociais, incluindo o capitalismo e o socialismo, a partir de sua base econômica, as relações das pessoas com os meios de produção. Em suma, a descrição contida em nosso objeto.

Grisley

Não há nada de errado com nossa propaganda – milhares de debates e reuniões públicas provaram isso. Não há nada de errado com nossa Declaração de Princípios – anos de crítica não conseguiram quebrá-los. O problema está na maioria das pessoas que não ouviram o caso do Partido ou, tendo ouvido, não respondem.

Jovem

Se, mesmo agora, a maioria dos membros do Partido não expulsar um oponente declarado apenas porque ele já foi um bom orador, aqueles que apoiam a Declaração de Princípios, e não estão preocupados com personalidades, terão que considerar seriamente o formação de um Partido Socialista.

Em abril de 1955, os “problemas” haviam diminuído e o conteúdo da PROFISSIONAIS mudou acentuadamente. As questões polêmicas que ocupavam tanto espaço praticamente desapareceram. A pré-purga PROFISSIONAIS continha material “educacional” (por exemplo, uma série de cinco “Notas sobre crises” de EW, mas a proporção disso agora aumentou muito. O novo Comitê do IPJ, notavelmente Bob Coster, proclamou sua política editorial: “Acreditamos que há escopo para PROFISSIONAIS como um meio para a educação socialista, informação e instrutivo discussão” (julho de 1955, ênfase no original). Essa edição continha um longo artigo sobre economia de EW, um ainda mais longo como parte 3 de uma série sobre marxismo e literatura de Coster e dicas sobre como falar em público de Ambridge. A edição de agosto-setembro de 1956 trazia Coster sobre o significado da educação, EW sobre Precisamos da dialética? (aparentemente não), e AWI, sobre o romancista John Steinbeck (“sempre interessante, e às vezes toca o sino”).

A última edição impressa da PROFISSIONAIS ainda tinha o subtítulo “Jornal de Discussão Socialista”. Mas 6'/2 de suas 8 páginas foram dedicadas a um levantamento anotado dos escritos e discursos de Marx e Engels e o restante  páginas consistiam em um trecho do panfleto de Engels Princípios do comunismo (1847).

Após um intervalo de 15 meses, o primeiro número do volume 2 de PROFISSIONAIS foi publicado em forma duplicada. Um editorial sob o título O NOVO PROFISSIONAIS afirmou:

O último Jornal Intrapartidário, embora tenha publicado muita coisa útil e valiosa, infelizmente degenerou num órgão que se preocupava sobretudo com a polémica e a recriminação antipartidária. Nas edições posteriores da revista, essa tendência foi interrompida, mas o estrago já estava feito e PROFISSIONAIS naufragou por falta de material de valor.

A edição continha notas de palestras de Evans sobre uma Abordagem Socialista da História, Willmott sobre valor, Jarvis sobre Dylan Thomas e dois artigos controversos: Trotman sobre a atitude do Partido em relação ao controle de aluguel e Hackney Branch sobre o Padrão Socialista (“Afirmamos que o Padrão Socialista é um jornal inferior hoje, e apelamos aos membros do Partido para fazer algo a respeito... Não estamos oferecendo propostas positivas aqui: esse não é o nosso ponto.”)

O último suspiro de PROFISSIONAIS foi em maio de 1959. Pode-se argumentar que PROFISSIONAIS não quis morrer, porque anunciou o conteúdo pretendido do número 5 (Sindicatos, Valor reexaminado e Deixe o Partido cantar). O conteúdo era um trecho de Engels sobre o sistema de salários, Trotman ainda sobre o controle de aluguéis, alguns fatos e números dos EUA sobre os idosos - e 12 das 22 páginas sobre a ressurreição da saga de WB de Upton Park (1910 –1911), após 4 páginas sobre aquela antiga polêmica na edição anterior.

WB de Upton Park havia escrito para o Padrão em 1910 perguntando “Qual seria a ação de um membro do SPGB eleito para o Parlamento e como ele manteria nosso princípio de 'sem compromisso'?” Os itens reimpressos em PROFISSIONAIS consistia na resposta do Comitê Executivo ao WB, uma carta aberta de 7 membros (o “Comitê Provisório para defender a revogação da resposta dada ao WB”), a resposta da CE a essa carta aberta (agosto de 1911) e, finalmente, o responder. Os editores de PROFISSIONAIS justificou a republicação desses documentos afirmando sua crença

que os documentos relativos a esta controvérsia têm uma influência muito real em controvérsias semelhantes, embora felizmente mais leves, no Partido hoje. Em todo o caso, são de interesse histórico e definem qual tem sido a posição do Partido sobre as reformas e o reformismo desde a sua criação.

O Comitê Provisório se opôs à ideia de que a democracia é essencial para o estabelecimento do socialismo:

Os trabalhadores, se uma vez revolucionários conscientes da classe, teriam e poderiam sob qualquer forma de governo, mesmo que autocráticos, burocráticos ou plutocráticos, apoderam-se da maquinaria política, tornando-se assim a classe dominante na sociedade (grifos no original).

PROFISSIONAISO último Comitê Editorial de deu a última palavra (e aliás mais de 10 das 16 páginas) ao Comitê Provisório. Eles não tomaram partido a favor ou contra aquele Comitê e a CE. Eles não disseram de que maneira achavam que a controvérsia de 1910-1911 tinha “uma influência muito real” nas controvérsias da época em que estavam escrevendo.

Nossa visão é que o BM levantou uma questão que ainda não respondemos satisfatoriamente hoje: rejeitamos a democracia capitalista (parcial) como uma reforma a ser combatida ou vemos a democracia (plena) como um ingrediente essencial do socialismo?

Retrospectiva e Prospecção

PROFISSIONAIS foi publicado durante os anos que foram indiscutivelmente os mais turbulentos da existência do Partido. Historicamente, a controvérsia nunca esteve ausente do movimento socialista (lembre-se da referência irônica de William Morris a seis opiniões diferentes entre seis membros da Liga Socialista) e não está ausente hoje. De fato, a existência de visões divergentes é um sinal de saúde política. Mas no PROFISSIONAIS A controvérsia da era (ou, se preferir, a introvérsia) foi provavelmente mais difundida e virulenta do que antes ou depois. Por que isso?

O partido cresceu rapidamente após a Segunda Guerra Mundial. A “esquerda” política – um termo vago e insatisfatório, mas ainda com algum significado – era mais forte do que a “direita”, que teve que esperar até o advento de Thatcher em 1979 para se afirmar. Antes dos anos do FORUM poucos dentro ou fora do Partido teriam negado que fazia parte da “esquerda”. E então uma coisa estranha aconteceu. O Partido que até então era um começou a se dividir em dois. Não aconteceu da noite para o dia e não fez parte da habitual divisão esquerda-direita porque todos os participantes queriam e trabalhavam pelo socialismo como seu único objetivo, embora alguns de um lado negassem as credenciais socialistas de alguns do outro .

Em retrospecto, os disputantes podem ser concebidos como os “estreitos” e os “largos”. Dizemos “em retrospecto” porque esses dois termos não foram realmente cunhados (por Eddie Grant) e usados ​​no Partido até que os desenvolvimentos na década de 1980 levaram à expulsão de dois ramos e à formação do grupo Ashbourne Court. Os “estreitos” estão preocupados principalmente em limitar estritamente o que o Partido defende e com quem os socialistas são em contraste com os não-socialistas. “Broads” estão mais conscientes do movimento do que da estabilidade; eles tendem a reconhecer tons de cinza no movimento da história.

No PROFISSIONAIS era os estreitos e os largos de alguma forma abandonaram o terreno comum para o campo de batalha - cada um deles desenvolveu asas extremas. Os extremos estreitos e os extremos largos não podiam viver juntos por muito tempo no mesmo partido, embora o fizessem por um período agitado. Os extremos estreitos convenceram a maioria do partido a agir para expulsar os extremos largos, seja por expulsão ou por pressões mais sutis. As amplas extremas (geralmente, mas nem sempre) mais confrontadoras e menos diplomáticas do que as amplas convencionais - responderam com ataques cada vez mais agudos ao que os estreitos consideravam sua posse de maior orgulho, o D de 1904 de P. (Na verdade, apenas a santidade literal-fundamentalista de o D de P estava em disputa, não sua essência.) Os estreitos venceram a batalha de 1955. Os extremistas abandonaram o Partido e após a sua saída PROFISSIONAIS perdeu a maior parte de sua controversa mordida. O Partido se estabeleceu em um período não muito notável de relativa calma, até mesmo de estagnação e diminuição do número de membros (chegou a 1200 na década de 1950). Mas outra controvérsia estava se formando entre os extremos estreitos e o resto do Partido. Os detalhes disso estão além do escopo desta história de PROFISSIONAIS. Basta dizer aqui que desta vez o resto do Partido ganhou o dia.

O que aconteceu com os extremistas que deixaram o Partido em 1955? Alguns já morreram, outros decidiram que poderiam perseguir seus objetivos de vida sem filiação ao Partido – e alguns, vendo o Partido não mais dominado por pessoas e perspectivas extremamente estreitas e intolerantes, voltaram a se juntar ao que veem como um partido totalmente democrático, bem como totalmente democrático. partido Socialista. Esses ex-extremistas se tornaram de fato os principais, em um partido que também tem poucos extremistas visíveis.

Duas questões ainda precisam ser discutidas. A primeira é se o esforço investido na publicação PROFISSIONAIS poderia ter sido melhor direcionado para a “propaganda” – tornando mais socialistas. Subjacente a essa questão está a crença de que o esforço direcionado para dentro é menos saudável do que o esforço direcionado para fora. Se as pessoas que escrevem, editam e distribuem PROFISSIONAIS tivessem mudado de propagandistas ativos para menos ativos ou mesmo inativos, então haveria algo nesse argumento. Mas não há nenhuma evidência de que este foi o caso. PROFISSIONAIS foi dado à luz e mantido vivo por aqueles que eram ativos no Partido. A derrota dos amplos extremos confinados PROFISSIONAIS à sua função educativa e instrutiva, fim louvável, mas no fundo insuficiente.

A segunda questão é se podemos esperar ver outro PROFISSIONAIS-tipo de publicação em um futuro previsível. Não houve entusiasmo quando surgiu como item de discussão na ADM de 1995. Quem sabe? Preferimos duvidar. Certamente podemos esperar ter membros e recursos suficientes para produzir uma publicação periódica, além do Standard. Mas isso não precisa ser um jornal interno do Partido. Espero que tenhamos passado do estágio em que queremos esconder dos não membros o fato de que os socialistas não concordam em tudo. Nós – os autores deste artigo – acreditamos que o Partido hoje contém alguns membros que tendem a ser um tanto autoritários e outros que tendem a ser um tanto libertários. Não esperamos que todos os membros concordem com esta análise, mas não queremos que aqueles que discordam fiquem fora do Partido.

O Partido Socialista não é um monumento; faz parte do movimento socialista. Um fórum ou um PROFISSIONAIS, uma troca de informações e opiniões como parte do processo democrático, é coerente com um movimento, não com um monumento. Mesmo que não tenhamos PROFISSIONAIS hoje devemos certamente acreditar nos fóruns como uma forma importante de ajudar o movimento socialista a crescer.

Novembro de 1995

Ligações Úteis

PROFISSIONAIS, não. 1 (outubro de 1952)

PROFISSIONAIS, não. 2 (novembro de 1952)

PROFISSIONAIS, não. 3 (dezembro de 1952)

PROFISSIONAIS, não. 4 (janeiro de 1953)

PROFISSIONAIS, não. 5 (fevereiro de 1953)

PROFISSIONAIS, não. 6 (março de 1953)

PROFISSIONAIS, não. 7 (abril de 1953)

PROFISSIONAIS, não. 8 (maio de 1953)

PROFISSIONAIS, não. 9 (junho de 1953)

PROFISSIONAIS, não. 10 (julho de 1953)

PROFISSIONAIS, não. 11 (agosto de 1953)

PROFISSIONAIS, não. 12 (setembro de 1953)

PROFISSIONAIS, não. 13 (outubro de 1953)

PROFISSIONAIS, não. 14 (novembro de 1953)

PROFISSIONAIS, não. 15 (dezembro de 1953)

PROFISSIONAIS, não. 16 (janeiro de 1954)

PROFISSIONAIS, não. 17 (fevereiro de 1954)

PROFISSIONAIS, não. 18 (março de 1954)

PROFISSIONAIS, não. 19 (abril de 1954)

PROFISSIONAIS, não. 20 (maio de 1954)

PROFISSIONAIS, não. 21 (junho de 1954)

PROFISSIONAIS, não. 22 (julho de 1954)

PROFISSIONAIS, não. 23 (agosto de 1954)

PROFISSIONAIS, não. 24 (setembro de 1954)

PROFISSIONAIS, não. 25 (outubro de 1954)

PROFISSIONAIS, não. 26 (novembro de 1954)

PROFISSIONAIS, não. 27 (dezembro de 1954)

PROFISSIONAIS, não. 28 (janeiro de 1955)

PROFISSIONAIS, não. 29 (fevereiro de 1955)

PROFISSIONAIS, não. 30 (março de 1955)

PROFISSIONAIS, não. 31 (abril de 1955)

PROFISSIONAIS, não. 32 (maio de 1955)

PROFISSIONAIS, não. 33 (junho de 1955)

PROFISSIONAIS, não. 34 (julho de 1955)

PROFISSIONAIS, não. 35 (outubro de 1955)

PROFISSIONAIS, não. 36 (novembro de 1955)

PROFISSIONAIS, não. 37 (janeiro-fevereiro de 1956)

PROFISSIONAIS, não. 38 (março de 1956)

PROFISSIONAIS, não. 39 (abril de 1956)

PROFISSIONAIS, não. 40 (junho a julho de 1956)

PROFISSIONAIS, não. 41 (agosto-setembro de 1956)

PROFISSIONAIS, não. 42 (outubro-dezembro de 1956)

PROFISSIONAIS, não. 43 (maio de 1957)