Home » Blog » Ninguém ajudou - ou ajudaram?

Human Nature, imprensa, Notícias, polícia

Ninguém ajudou - ou ajudaram?

A maioria das pessoas comuns não fica passivamente observando quando alguém precisa de ajuda.

by Stephen Shenfield

Publicado em:

Atualizado:

2 min read

É um truísmo dos moralistas que, quando coisas ruins são feitas às pessoas, a culpa não é apenas dos perpetradores, mas também dos espectadores – aqueles miseráveis ​​que assistem e não fazem nada.

Um exemplo chocante de tal insensibilidade e passividade foi relatado por The New York Times em 27 de março de 1964. Duas semanas antes, segundo o relatório, uma jovem havia sido assassinada no meio da noite em Kew Gardens, bairro do Queens, na cidade de Nova York. Por mais de meia hora, 38 vizinhos espiaram pelas janelas enquanto o assassino a perseguia e a esfaqueava. Apesar de seus gritos e gritos, ninguém veio em seu socorro. Ninguém nem chamou a polícia.

Dez anos depois, um historiador amador chamado Joseph DeMay mudou-se para a vizinhança e decidiu investigar o que realmente havia acontecido naquela noite.

Ele descobriu que 38 vizinhos foram de fato interrogados pela polícia. Foi daí que surgiu o suspeito número exato de 38. Mas apenas dois dos 38 tinham visto o esfaqueamento e apenas um desses dois poderia ser razoavelmente acusado de 'observar e não fazer nada'. Alguns dos 38 nem acordaram. Outros ouviram algo, olharam para fora e viram uma mulher cambaleando pela rua, mas presumiram que ela estava bêbada. Havia um bar na rua e bêbados não eram uma visão incomum. 

Dois moradores, na verdade, tinha Chamou a polícia. A polícia não tinha vindo. DeMay não conseguiu descobrir por que não. Um terceiro morador, a segunda das duas testemunhas oculares, queria que a polícia viesse, mas teve medo de chamar a atenção para si por ser gay (a homossexualidade ainda era ilegal na época). No entanto, ele alertou os vizinhos e um deles saiu correndo, encontrou a vítima e conseguiu confortá-la enquanto ela morria. 

O artigo em The New York Times desencadeou uma tempestade de publicidade. Dezenas de moradores foram entrevistados por jornalistas, mas depois reclamaram que a imprensa distorceu suas palavras. Um jornalista concluiu que o relato publicado era em grande parte falso, mas guardou esse conhecimento para si mesmo por medo de perder o emprego. 

A mídia corporativa retrata sistematicamente as pessoas comuns como piores do que realmente somos – como mais competitivas, mais agressivas, mais egoístas, menos dispostas a cooperar e ajudar os outros. Isso ajuda a explicar por que a maioria de nós continua a pensar que o socialismo é impossível porque, afinal, 'você não pode mudar a natureza humana'.

Fonte: Rutger Bregman, Humanidade: uma história de esperança (Little, Brown & Co., 2021), cap. 9 (A morte de Catherine Susan Genovese)

Foto do autor
Cresci em Muswell Hill, no norte de Londres, e entrei para o Partido Socialista da Grã-Bretanha aos 16 anos. Depois de estudar matemática e estatística, trabalhei como estatístico do governo na década de 1970 antes de ingressar em Estudos Soviéticos na Universidade de Birmingham. Eu era ativo no movimento de desarmamento nuclear. Em 1989, mudei-me com minha família para Providence, Rhode Island, EUA, para assumir um cargo no corpo docente da Brown University, onde lecionei Relações Internacionais. Depois de deixar a Brown em 2000, trabalhei principalmente como tradutora de russo. Voltei ao Movimento Socialista Mundial por volta de 2005 e atualmente sou secretário-geral do Partido Socialista Mundial dos Estados Unidos. Escrevi dois livros: The Nuclear Predicament: Explorations in Soviet Ideology (Routledge, 1987) e Russian Fascism: Traditions, Tendencies, Movements (ME Sharpe, 2001) e mais artigos, artigos e capítulos de livros que gostaria de recordar.

Artigos Relacionados

Subscrever
Receber por
convidado
Este site usa o plug-in de verificação do usuário para reduzir o spam. Veja como seus dados de comentários são processados.
0 Comentários
Comentários em linha
Ver todos os comentários