Home » Blog » Petya e as autoridades

Relações internacionais, Guerra

Petya e as autoridades

Exibições: 1,555 Nota introdutória. Este texto, publicado em russo aqui, no site da seção russa da Associação Internacional dos Trabalhadores, foi escrito por um adolescente …

by Partido Socialista Mundial EUA

Publicado em:

Atualizado:

6 min read

Khv27.ru, CC BY 4.0, via Wikimedia Commons

Nota introdutória. Este texto, publicado em russo SUA PARTICIPAÇÃO FAZ A DIFERENÇA, no site da seção russa da Associação Internacional dos Trabalhadores, foi escrito por um estudante adolescente em uma pequena cidade no Extremo Oriente da Rússia. A ilustração mostra pessoas fazendo fila para formar um Z — um símbolo de apoio à “operação militar especial” na Ucrânia.

As autoridades estão empurrando a ideia de amor à pátria-nação na cabeça das pessoas comuns, apresentando a ideia de uma forma extremamente pervertida, com todas as suas consequências... Há expressões de ódio e violência contra outros povos, conservadorismo nacional, chauvinismo . As tendências autocráticas na sociedade estão se intensificando, e é por isso que, na prática, uma comunidade humana dilacerada por contradições “étnicas” está se formando gradualmente. Algumas pessoas são colocadas contra outras, muitas vezes independentemente do parentesco e semelhança de origem.

Assim se cria uma verdadeira catástrofe social para manter o monopólio do poder de parasitas que querem subordinar os trabalhadores à sua vontade, desviando-os da compreensão da real situação do país. As pessoas se tornam como gatinhos que não têm para onde ir sem a mãe ou, para ser mais cínico, tornam-se escravos enganados e não livres, acabando por se tornar engrenagens amorais sem alma cujo objetivo na vida é trabalhar em condições desumanas. Essas pessoas são completamente esmagadas por dentro e desconectadas do lado de fora.

Nosso personagem principal, vamos chamá-lo de Petya, 15 anos, nascido no Extremo Oriente em uma pequena cidade, vem de uma família da classe trabalhadora, é atraído por ideias de esquerda e tem um interesse ativo pela história da URSS e muitos outros “estados socialistas”. ”, o comunismo, assim como o marxismo, se opõem ativamente ao capitalismo, considerando-o uma formação econômica obsoleta. Quando a guerra russo-ucraniana começou, Petya, naturalmente, como convém a um esquerdista, falou de posições de classe, dizendo que esta guerra é um conflito pela redistribuição das esferas de influência entre a burguesia russa e ocidental, e também que as ambições de “ nossa” classe dominante contradizem os interesses dos trabalhadores comuns. Que todos os custos da guerra cairão sobre os ombros dos trabalhadores comuns. Medidas anti-sociais, como a reforma previdenciária, começarão com vigor renovado. Todas aquelas poucas liberdades que os cidadãos têm vão diminuindo ainda mais, até a sua completa extinção. Claro, as relações entre russos e ucranianos finalmente se deteriorarão, causando uma profunda divisão entre eles.

E para que serve? Por uma vaga "desnazificação" e "desmilitarização", com uma mistura de slogans sobre a proteção do "mundo russo", que são apenas "pó nos olhos" para justificar suas intenções predatórias e imperialistas. Eles sabem que a elite precisa deste conflito para fortalecer cada vez mais a sua influência, tanto no país – através da violência e exploração dos trabalhadores – como fora do país, através de aventuras duvidosas, uma das quais foi a “operação militar especial” contra o território da Ucrânia. Naturalmente, o personagem principal não podia deixar de se manifestar contra a guerra, que não atendia às necessidades dos trabalhadores da Rússia. 

A Primeira História: Uma Classe

No início de março, último dia da semana de trabalho, na sexta-feira, foi realizada em sua escola uma aula de uma hora sobre o tema do conflito armado entre a Rússia e a Ucrânia. Este evento combinou atitudes ideológicas como conservadorismo nacional, patriotismo com um toque de chauvinismo, nacionalismo russo e, é claro, o papel civilizador da Rússia na proteção das repúblicas populares de Lugansk e Donetsk. 

Foi muito parecido com uma performance verbal. Segundo o professor, a Rússia está lutando contra o astuto Ocidente, defendendo um “mundo multipolar”. Ucranianos, bielorrussos e russos são, ao que parece, quase uma única nação com pequenas peculiaridades. Foram os “malditos bolcheviques” que criaram a Ucrânia e sua cultura, implementando a política de indigenização, alienando assim povos de sangue semelhante. Depois disso, a URSS, na qual todas as nações formavam um todo, entrou em colapso. E agora a Ucrânia independente desencadeou um terror de pleno direito contra a população de língua russa, e à frente desse terror estavam, é claro, os próprios nacionalistas ucranianos que o governo soviético não conseguiu acabar. Enquanto isso, a “besta”, representada pelos estados ocidentais, decidiu cercar a “pobre Rússia” expandindo sua influência na Europa Oriental, o que violou o acordo inexistente entre os soviéticos e os Estados Unidos sobre a não expansão da OTAN. O pico dessas tendências foi o Euromaidan, como resultado do qual os neonazistas tomaram o poder na Ucrânia, arrastando o país para organizações hostis à Rússia. A Rússia, é claro, é um pacificador tentando impedir a fascistização da Ucrânia, devolvendo-a a uma orientação pró-Rússia, porque os povos afins ficarão melhor se ficarem juntos. A anexação da Crimeia, junto com o confronto no Donbass, é a proteção do povo russo dos radicais de direita e das autoridades liberais de Kiev.

Resumindo o que ouvimos, podemos dizer que neste bacana evento foi dito em texto simples que nós, cidadãos comuns, devemos apoiar as “ambições de pão” do “nosso” governo, que quer expandir sua esfera de influência imperialista no mundo. O que, como você entende, é apresentado como a libertação da Ucrânia do “jugo banderita-ocidental”, a proteção de nossa “Grande Pátria” de inimigos externos.

O protagonista claramente não estava entusiasmado com tais reviravoltas verbais. Havia sentimentos bastante confusos na sala de aula. Por exemplo, quando Petya, que estava sentado ao lado de um de seus colegas, finalmente foi questionado sobre o que ele achava do evento, respondeu da seguinte forma: “Isso tudo é um absurdo completo!” Outro colega de classe perguntou: “Então nos mostraram coisas fofas e fofas e depois fomos enganados com porcaria?” Ao que Petya respondeu: "Sim, é assim." Mas se falarmos de toda a turma estúpida, temos que admitir que a maioria provavelmente “mordeu a isca” desse anzol de propaganda, sem nem pensar em como tentaram enganá-los.

As duas histórias restantes são menores em escala, mas bastante reveladoras.

A segunda história: conversa com clérigos

Um dia, tendo ido com dois colegas fazer poesia para um dos concursos em um pequeno prédio perto da igreja, entramos em contato com duas personalidades pitorescas. Eles acabaram sendo um homem e uma mulher que, a julgar pela aparência, ocupam algum tipo de cargo na Igreja Ortodoxa Russa (ROC). Eles falaram neste tom: “Apesar da situação difícil no mundo, devemos desejar boa sorte às nossas tropas na libertação da Ucrânia do fascismo e também lembrar as figuras que amaram e compreenderam sua pátria”.

Para ser sincero, foi até estranho ouvir de representantes da igreja sobre a correção do método armado de resolver o conflito entre a Ucrânia e a Rússia, temperado com o patriotismo burguês. Ao mesmo tempo, isso não deve nos surpreender, porque desde tempos imemoriais grandes instituições religiosas como a ROC têm sido o esteio das autoridades, sendo geralmente as organizações mais reacionárias da sociedade, sufocando quaisquer aspirações populares.

A terceira história: informação política

O último incidente ocorreu por informação política, quando muitas turmas se reuniram no salão de festas para ouvir uma mulher que, pela aparência de seu uniforme, provavelmente era de algum tipo de órgão policial. Ela fez o seguinte discurso: “O que é extremismo? É quando as pessoas organizam ações violentas dirigidas contra o Estado e para atingir seus objetivos. O que muitas vezes ecoa o terrorismo. Existem muitas organizações desse tipo cuja ideologia é o neonazismo. Fazendo um determinado evento de protesto, eles estão tentando ativamente envolver os jovens nele, por meio das mesmas redes sociais. Portanto, tenha cuidado com tais recursos, pois você, menor de idade, pode simplesmente ser levado e encaminhado à delegacia, multando seus pais por você, como menor de 18 anos, não poder frequentar locais onde ocorram ações dessa natureza. E, em geral, é melhor não participar de protestos dirigidos contra as autoridades, porque você pode se machucar, arruinar sua reputação, eventualmente não conseguir nada, desperdiçar todas as suas forças e ficar sem nada”.

Acima de tudo, Petya ficou surpreso com a afirmação de que todos os "extremistas" são, é claro, nazistas, nacionalistas, fascistas, etc. Ativistas de esquerda defendendo seus direitos e liberdades, ativamente tirados deles pelas autoridades e liderando um sindicato, protesto, luta de informação explicativa, claramente não existia para ela. Além disso, a crença de que tudo sempre pode ser resolvido pacificamente sem violência é em si uma mentira. Não é assim que acontece.

Posfácio Triste

O problema é que agora na Rússia não há nenhuma força importante que represente os interesses dos trabalhadores. A oposição é representada pelos mesmos rosados ​​​​social-democratas como as organizações de Gennady Zyuganov, Sergei Mironov e outros. Afinal, eles não almejam uma chegada real ao poder, permanecendo apenas a “mão esquerda” do regime, simbolizando o ilusório confronto democrático de partidos de diferentes ideologias. Ao mesmo tempo, paradoxalmente, esses mesmos partidos quase populares sufocam qualquer iniciativa de baixo para melhorar a qualidade de vida da população trabalhadora.

A população agora está empobrecida a tal ponto que a luta pelo alívio de sua situação muitas vezes se transforma em uma luta pelo último pedaço de pão. Na Rússia, estabeleceu-se uma ditadura de políticos que se preocupam apenas com seu próprio enriquecimento e situação pessoal… As autoridades querem tomar todas as alavancas de pressão em suas mãos, fazer o que quiserem, “colocar bombas sob a Rússia”, dividi-la em várias províncias econômicas e políticas separadas, fortalecendo o status da Rússia como a periferia do Ocidente - os países do núcleo capitalista, realmente sem resolver questões "étnicas" e de forma alguma impedindo a estratificação não apenas entre pobres e ricos, mas também entre os ricos e o estrato médio. Essas autoridades continuam sua política de formar um estado policial, ao mesmo tempo em que arrastam o país para campanhas completamente estranhas em seu desenho, servindo, naturalmente, para fortalecer a posição dos “nossos” ricos e enfraquecer a classe trabalhadora.

Há uma questão importante que atormenta o personagem principal: “Por quê”? Aliás, por que era preciso contar tudo isso para quem mora aqui no Extremo Oriente? Numa região onde as autoridades se tornaram completamente descaradas ao implementar um regime autocrático, o nepotismo. corrupção e destruição do legado soviético. A observância dos direitos e deveres do indivíduo tem sido uma formalidade aqui. E quaisquer fontes alternativas de opinião são quebradas e despedaçadas. Sem falar na burocracia.

Uma certa imagem do estado de coisas está surgindo. Acontece que a ideia de “patriotismo conveniente” anda de mãos dadas com o nacionalismo, está implantada em todos os lugares e penetra em absolutamente todos os estratos da sociedade. Os dissidentes, ou pessoas de outras posições, estão sob pressão incrível com ameaças de privação de liberdades econômicas, perseguição política e acusações criminais. E as decisões que estão sendo tomadas em Moscou nada têm a ver com quaisquer objetivos nacionais em termos de segurança, antiocidentalismo ideológico, resistência ao neonazismo e afins. “Os de Moscovo” guiam-se, antes de mais, pelas suas intenções egoístas e tacanhas, há muito que transformaram a Rússia num crescente monte de lixo, sem resolver a própria essência do problema, deixando-o para os outros, acreditando que tudo se resolverá por si só e não vale a pena se preocupar com isso.

O mais triste é que as pessoas estão bastante indiferentes a tudo o que está acontecendo. A população vive apoliticamente, não se preocupando com os acontecimentos atuais, vivendo de acordo com o seu cotidiano de vida. É o problema da falta de vontade de pensar com a própria cabeça, tomando por verdade aquelas fábulas que vêm “lá de cima”, que gera um misto de ignorância e estupidez na cabeça da população. Tudo isso fortaleceu a primazia cultural, econômica, política e social dos plutocratas. As pesquisas sociais atuais apenas confirmam a tendência negativa emergente na sociedade russa moderna, mostrando, mais uma vez, a gravidade dos problemas. O raio brilhante nesta escuridão total permanece o esclarecimento político entre as pessoas, construindo seu potencial organizacional, compreendendo sua posição de classe e interesses. Sem o qual alguns escravos de um senhor de escravos estarão condenados a lutar com os escravos de outro senhor de escravos.

Foto do autor
Defendendo o socialismo e nada mais.

Artigos Relacionados

Subscrever
Receber por
convidado
Este site usa o plug-in de verificação do usuário para reduzir o spam. Veja como seus dados de comentários são processados.
2 Comentários
mais velho
Recentes Mais votados
Comentários em linha
Ver todos os comentários