Início » Blog » Humanidade ou Proletariado? A controvérsia de Turner revisada

Aula, HISTÓRIA, marxismo, Política, Socialismo

Humanidade ou Proletariado? A controvérsia de Turner revisada

O renomado orador público Tony Turner foi membro do SPGB de 1931 a 1955, quando renunciou para encerrar um amargo conflito interno sobre suas opiniões controversas.

by Stephen Shenfield

Publicado em:

Atualizado:

4 min read

Tony Turner, conhecido por sua eloquência como orador público, foi membro do Partido Socialista da Grã-Bretanha de 1931 a 1955, quando renunciou para encerrar um amargo conflito interno sobre suas opiniões controversas. 

O nome de Tony Turner figura não apenas no folclore do SPGB, mas também na história da minha família. Meu tio Alan estava no SPGB naquela época. Como muitos outros membros do partido, ele evitou o recrutamento como Objetor de Consciência com a ajuda de Tony Turner (embora muito jovem para lutar na Segunda Guerra Mundial, ele ainda enfrentou o Serviço Nacional, que continuou até 1960). Para citar a 'mini-biografia' de Stan Parker de Tony Turner: 

Ele compareceu ao Fulham Conscientious Objectors Tribunal … para defender o caso de muitos membros perante o juiz Hargreaves. O juiz desde o início ficou satisfeito simplesmente com a garantia de Tony de que a pessoa era um membro de boa-fé para que sua isenção fosse concedida. Os Serviços realmente não queriam socialistas perturbando o resto dos rapazes.

A primeira década do pós-guerra foi o apogeu do SPGB, com 1,200 membros. O SPGB se beneficiou da tendência esquerdista otimista da sociedade que deu ao Partido Trabalhista uma vitória esmagadora em 1945 e lhe permitiu decretar uma série de reformas sociais, sendo a mais significativa a criação do Serviço Nacional de Saúde. Mas o avanço do partido também deveu algo ao apelo popular de Tony Turner. 

No início dos anos 1950, no entanto, um conflito interno sobre a teoria socialista separou o partido. Tony Turner defendeu uma abordagem do socialismo como a causa de toda a humanidade e negou qualquer conexão especial entre o socialismo e a classe trabalhadora. Essa abordagem era difícil de conciliar com a Declaração de Princípios adotada pelo SPGB em sua fundação em 1904, que segue Marx ao ver o socialismo como resultado da luta da classe trabalhadora. Tony Turner se sentiu obrigado a deixar o partido em 1955, e muitos de seus simpatizantes partiram com ele. 

A controvérsia de Turner

A controvérsia de Turner permanece relevante porque a ambigüidade com a qual Turner e seus oponentes lutaram tem raízes profundas no pensamento socialista. Por um lado, os socialistas de fato sempre aspiraram a uma sociedade sem classes que fosse melhor para todos, para toda a comunidade humana. Por outro lado, a classe trabalhadora, como a classe diretamente explorada e oprimida pela classe capitalista, certamente tem um interesse especial em sua própria emancipação – isto é, no socialismo.

O período da Controvérsia de Turner corresponde à primeira metade do período em que o SPGB publicou um diário de discussão interna com o nome de PROFISSIONAIS. Embora todas as 43 edições impressas de PROFISSIONAIS estão disponíveis neste site (SUA PARTICIPAÇÃO FAZ A DIFERENÇA), seus conteúdos são de valor limitado para uma apreciação do pensamento de Turner. Tony estava em seu elemento no palanque, não no escritório. Ele escreveu muito pouco. Ele contribuiu apenas com um artigo bastante curto para PROFISSIONAIS – 'Um Partido da Classe Trabalhadora – Ou um Partido do Socialismo?', n.º 17, Fevereiro de 1954, p. 13 do jornal, pág. 5 do arquivo – e toma a forma um tanto desajeitada de uma lista de 25 'proposições'. É verdade que temos muitos artigos de seus oponentes nos quais Turner teria dito isso ou aquilo em uma ou outra ocasião, mas não temos como verificar exatamente o que ele disse, muito menos o que ele disse. significava.

Deixe-me então reproduzir o que me parece ser as 'proposições' mais importantes de Turner (algumas eu encurtei, mas sem alterar o significado básico):

[1] O socialismo é do interesse de todos os seres humanos em todo o mundo.

[5] Os interesses econômicos da classe trabalhadora se opõem aos interesses econômicos da classe capitalista.

[9] O socialismo sozinho … pode dar expressão completa aos interesses sociais.

[12] Um partido socialista não é um partido de classe ou grupo.

[14] Um partido socialista não apela a nenhuma classe ou grupo como tal. Atrai a humanidade…

[20] Um partido socialista não pode almejar o controle da máquina governamental. [Ele] depende do entendimento socialista, não da lei e da força armada. 

[23] Os socialistas não falam, escrevem ou se organizam pelo socialismo como capitalistas ou trabalhadores, como negros ou brancos, ou com base no sexo, mas como seres humanos que entendem e desejam o socialismo. 

Diferentes tipos de interesses

Um ponto absolutamente crucial, embora o próprio Turner não o enfatize: ele faz uma distinção entre diferentes tipos de 'interesses'. Na Proposição 5, ele aceita uma abordagem de classe para os interesses "econômicos", com o que presumivelmente se refere aos interesses monetários. Tais interesses, no entanto, são significativos apenas dentro do capitalismo. Não pode haver interesse monetário em estabelecer o socialismo, porque o socialismo abole o dinheiro. Os interesses aos quais o socialismo dá plena expressão são os interesses "sociais"; em outro lugar, ele os chama de interesses "humanos". Esses interesses não econômicos já existem no capitalismo, mas o capitalismo pode dar-lhes apenas uma expressão parcial.  

O interesse referido na Proposição 1 deve, portanto, ser um interesse 'social' ou 'humano'. Todos, inclusive os capitalistas, têm de fato um interesse social ou humano no socialismo, porque todos dependem da sociedade, todos são seres humanos. A maioria dos capitalistas, no entanto, tem no máximo uma consciência fraca de seu interesse social ou humano, preocupando-se principalmente com seu interesse econômico. Eles desejam manter sua riqueza, status e privilégios e temem a perspectiva de perdê-los. É neste sentido que os interesses da classe capitalista e da classe trabalhadora são – como diz a cláusula 7 da Declaração de Princípios – diametralmente opostos.

Para ilustrar os significados divergentes que as pessoas atribuem à palavra interesse, considere o modo de vida de um bilionário típico. Ela (ou ele) vive no luxo, com lacaios obsequiosos à sua disposição, prontos para atender a todos os seus caprichos. Cercada de adulação, ela nunca ouve um sussurro de desaprovação ou discordância. Provavelmente ela está bastante satisfeita com esse arranjo. Ela percebe que é de seu interesse. Um crítico idealista, no entanto, argumentaria que isso está realmente causando um grande dano a ela – corrompendo seu caráter, estragando seu gosto, estreitando sua visão, impedindo o pleno desenvolvimento de suas capacidades – não, portanto, em seu “real” – isto é, humano – interesse em tudo.

Um interesse comum na sobrevivência

Hoje em dia o interesse social ou humano é ainda mais premente, e diverge ainda mais acentuadamente do interesse econômico da classe capitalista, como resultado do surgimento de armas de destruição em massa e da crise ecológica. Existe agora um sentido muito material em que todas as pessoas compartilham um interesse comum no socialismo como o único meio de garantir a sobrevivência da raça humana. Isso já estava claro para observadores perspicazes na década de 1950, embora não haja sinal desse tema no debate entre Turner e seus adversários. 

Infelizmente, o interesse comum pela sobrevivência humana não elimina a diferença entre o interesse social da humanidade e o interesse econômico da classe capitalista. O interesse na sobrevivência humana é um interesse relativamente de longo prazo, enquanto os capitalistas tendem a se concentrar no curto prazo. Essa tendência se refletiu em uma famosa resposta que o economista John Maynard Keynes certa vez deu a um argumento sobre o longo prazo: "No longo prazo, estamos todos mortos". Em outras palavras, quem se importa com as gerações futuras? 

No curto prazo, são os membros da classe trabalhadora que carregam o peso da degradação ambiental, enquanto os maiores responsáveis ​​por ela são os mais bem protegidos de seus efeitos. São as áreas da classe trabalhadora que estão expostas à poluição química e radioativa de operações de mineração, fábricas, depósitos de lixo tóxico e outras fontes. Os capitalistas mantêm suas propriedades rurais em ambientes idílicos e intocados – embora nem eles possam escapar dos raios ultravioleta que penetram pelos buracos na camada de ozônio. No mundo futuro imaginário de Alexander Zinoviev o formigueiro humano, a natureza sobrevive apenas em pequenos enclaves que as pessoas devem pagar para entrar, o preço estando fora do alcance de todos, exceto dos ricos.

Conclusão

Em vários sentidos muito importantes, portanto, o socialismo é de fato, como declarou Tony Turner, do interesse de todo ser humano. Em outros sentidos, o socialismo permanece acima de tudo no interesse da classe trabalhadora. Até certo ponto, é possível e desejável reconciliar e combinar a 'abordagem humana' de Turner com a tradicional 'abordagem de classe' marxista estabelecida na Declaração de Princípios do SPGB. Qualquer diferença que permaneça após tal esforço certamente pode ser tolerada por camaradas que buscam sinceramente o mesmo objetivo. Mesmo no momento da controvérsia, como observa Ken Smith em seu obituário de Tony Turner, 'muitos membros sentiram que a diferença deveria ter sido contida em um partido que buscava a revolução mundial.'

Admitindo que os oponentes de Turner tivessem pontos válidos a fazer, é deprimente ler a linguagem dura e às vezes pessoalmente ofensiva na qual ele foi criticado. Talvez possamos pelo menos aprender algo deste triste episódio na história do Movimento Socialista Mundial.

Para saber mais sobre a vida de Tony Turner, consulte SUA PARTICIPAÇÃO FAZ A DIFERENÇA.

Para um relato mais longo da controvérsia, tirado de Robert Barltrop, O Monumento: A História do Partido Socialista da Grã-Bretanha (Pluto Press, 1975; agora raro), ver SUA PARTICIPAÇÃO FAZ A DIFERENÇA. Veja também a edição de junho de 2004 da O Padrão Socialista, que contém uma série de materiais sobre a história do SPGB.

Tags: abordagem de classe, abordagem humana, Tony Turner

Foto do autor
Cresci em Muswell Hill, no norte de Londres, e entrei para o Partido Socialista da Grã-Bretanha aos 16 anos. Depois de estudar matemática e estatística, trabalhei como estatístico do governo na década de 1970 antes de ingressar em Estudos Soviéticos na Universidade de Birmingham. Eu era ativo no movimento de desarmamento nuclear. Em 1989, mudei-me com minha família para Providence, Rhode Island, EUA, para assumir um cargo no corpo docente da Brown University, onde lecionei Relações Internacionais. Depois de deixar a Brown em 2000, trabalhei principalmente como tradutora de russo. Voltei ao Movimento Socialista Mundial por volta de 2005 e atualmente sou secretário-geral do Partido Socialista Mundial dos Estados Unidos. Escrevi dois livros: The Nuclear Predicament: Explorations in Soviet Ideology (Routledge, 1987) e Russian Fascism: Traditions, Tendencies, Movements (ME Sharpe, 2001) e mais artigos, artigos e capítulos de livros que gostaria de recordar.

Artigos Relacionados

Subscrever
Receber por
convidado
Este site usa o plug-in de verificação do usuário para reduzir o spam. Veja como seus dados de comentários são processados.
0 Comentários
Comentários em linha
Ver todos os comentários