Início » Blog » Princípio um

Capitalismo, Aula, HISTÓRIA, marxismo

Princípio um

Exibições: 744 Uma das muitas coisas que eu amo sobre o Movimento Socialista Mundial é quanto tempo ele existe. O Partido Socialista da Grã-Bretanha foi…

by Jordan Levi

Publicado em:

Atualizado:

3 min read

Uma das muitas coisas que amo no Movimento Socialista Mundial é quanto tempo ele existe. O Partido Socialista da Grã-Bretanha foi fundado em 1904, então seu site - spgb.net - tem uma riqueza de material que você pode vasculhar para encontrar as opiniões dos membros do partido sobre diferentes eventos históricos, figuras e debates dos últimos 117 anos. Eu pesquiso por lá com bastante frequência quando estou entediado e alguns dias antes de escrever este artigo, eu estava procurando para ver se alguém no partido havia criticado o conceito de poder duplo de Vladimir Lenin. Ao examinar os resultados da pesquisa, encontrei o artigo 'Depois da Conquista do Poder' (Padrão Socialista, agosto de 1955), que trata da Cláusula 6 da Declaração de Princípios do WSM. Eu estava tentando pensar em uma boa ideia para escrever outro artigo para a próxima edição da revista. Socialista Mundial de qualquer maneira (eu fiz algumas leituras para um, mas acabou não sendo tão interessante quanto eu pensava), então pensei que seria uma boa ideia escrever um artigo para as próximas edições da WS explicando cada um desses princípios para novos membros ou simpatizantes, começando pelo Princípio 1, é claro.

O Princípio 1 afirma que:

A sociedade constituída atualmente é baseada na propriedade dos meios de vida (ou seja, terra, fábricas, ferrovias, etc.) pelo capitalista ou classe mestra, e consequente escravização da classe trabalhadora, cujo trabalho sozinho produz riqueza.

Eu vou quebrar isso pouco a pouco.

A sociedade neste contexto, é claro, refere-se à civilização humana. Enquanto nossa espécie de hominídeos, o Homo Sapiens, evoluiu cerca de 300,000 anos atrás e começou a exibir o comportamento dos humanos modernos cerca de 150,000 anos atrás, éramos caçadores-coletores até o Neolítico ou Primeira Revolução Agrícola acontecer cerca de 10,000 anos atrás, o que é considerado o amanhecer do que se poderia chamar propriamente de civilização, sendo a sociedade de classes ou de mercado. Para que a espécie humana sobreviva, é claro que precisamos nos reproduzir e nos sustentar consumindo recursos naturais, tanto pessoal quanto produtivamente. O consumo pessoal, como comer alimentos, nos mantém vivos, enquanto o consumo produtivo, como o uso de metais para criar utensílios de cozinha, cria os produtos que usamos em nossa vida cotidiana. As máquinas, instrumentos e materiais usados ​​para produzir, transportar e distribuir esses produtos são chamados de meios de produção. Os meios de produção, juntamente com as relações sociais em que são utilizados, são chamados de modo de produção.

Certa vez, vi um tuíte de um libertário de direita que parecia equiparar a sociedade de mercado ao capitalismo dizendo “não havia 'antes do capitalismo'”, mas os marxistas distinguem entre quatro modos diferentes de produção que existiram até agora na sociedade ocidental: o tribal modos de produção antigos e antigos, bem como o feudalismo e o capitalismo.

O modo de produção tribal praticado pelos caçadores-coletores, o que Karl Marx chamou de “comunismo primitivo”, baseava-se na propriedade comum dos meios de produção e produção diretamente para uso. Pense em como tudo é propriedade da sua casa: todos têm bens pessoais, mas os itens importantes são compartilhados e, sendo assim, não é necessário trocá-los para usá-los. Sem excedente material, a produção tribal era realizada apenas para subsistência e a sociedade era mais ou menos igualitária. Uma vez que os humanos começaram a praticar a agricultura com grãos, poderíamos armazenar um excedente por longos períodos de tempo, levando ao nascimento da propriedade privada de um grupo de cidadãos que se apropriam desse excedente para negociar em seu benefício, ao invés de toda a sua tribo. Isso levou a uma distinção entre os cidadãos que possuíam o excedente e viviam dele em oposição aos que trabalhavam para produzir esse excedente, criando uma divisão de trabalho, classes e, portanto, uma sociedade de classes.

Até agora, todos os modos de produção após a Revolução Neolítica mantiveram essa distinção entre uma classe minoritária de cidadãos que possuem recursos naturais junto com os meios de utilizá-los e uma classe majoritária de cidadãos que são forçados ou coagidos a trabalhar para a classe proprietária para sobreviver. A antiguidade teve senhores e escravos, o feudalismo teve senhores e servos, e o capitalismo tem capitalistas e trabalhadores assalariados. Alguns consideram a escravidão como a única forma legítima de escravidão, mas a escravidão assalariada obviamente ainda é escravidão. Um sistema econômico que dá à maioria da população as opções de trabalhar, cometer crimes, vagabundear ou passar fome não pode ser razoavelmente considerado outra coisa senão a escravidão implícita. Todos os modos de produção “civilizados” foram baseados na escravização da classe trabalhadora pela classe proprietária. A riqueza “civilizada” foi produzida principalmente por meio da escravidão.

Mais um ponto para tocar.

Um estado que afirma possuir os meios de produção em nome da classe trabalhadora não muda essa relação de classe, nem as cooperativas de trabalhadores. No primeiro caso, os burocratas do estado simplesmente se tornam a nova classe dominante – nada mais do que o capitalismo de estado. O último caso pode ficar mais complicado, então seria muito longo discutir aqui, mas desde que os produtores façam produtos diretamente para troca no mercado – em vez de diretamente para satisfazer as necessidades humanas – os produtores devem seguir os ditames do mercado. . Cada empresa é livre para organizar a produção como bem entender, mas nenhuma pode escapar da necessidade de competir umas com as outras e ser lucrativa. Enquanto os trabalhadores competirem, em vez de cooperarem; desde que precisem de salários para sobreviver; enquanto a produção for realizada diretamente para troca e não diretamente para uso, os trabalhadores ainda serão escravizados. A liberdade dessa relação de classe não virá da mudança de quem é proprietário privado dos meios de produção, mas dos meios de produção serem de propriedade comum de todos.

Na próxima edição abordaremos o Princípio Dois, que trata da luta de classes.

Foto do autor
Autor
Impossibilista; "ultra", se você quiser. Magdalen Berns estava certa sobre tudo.

Artigos Relacionados

Subscrever
Receber por
convidado
Este site usa o plug-in de verificação do usuário para reduzir o spam. Veja como seus dados de comentários são processados.
0 Comentários
Comentários em linha
Ver todos os comentários