Início » Blog » Muitos ucranianos não querem lutar!

Guerra

Muitos ucranianos não querem lutar!

Visualizações: 1,021 A propaganda nacionalista ucraniana, reproduzida na mídia corporativa ocidental, projeta uma imagem dos ucranianos como uma nação unida na resistência armada à agressão russa. No entanto, …

by Stephen Shenfield

Publicado em:

Atualizado:

3 min read

A propaganda nacionalista ucraniana, reproduzida na mídia corporativa ocidental, projeta uma imagem dos ucranianos como uma nação unida na resistência armada à agressão russa. No entanto, muitos ucranianos comuns – como muitos russos comuns – não querem lutar nesta guerra. Aqui está a evidência em apoio a esta afirmação, reunida por anarco-sindicalistas pertencentes à Seção Russa da Associação Internacional dos Trabalhadores. —SS

Segundo dados fornecidos pelo Movimento Pacifista Ucraniano, até maio de 2022 foram iniciadas investigações policiais contra mais de 2,500 pessoas, das quais 851 foram acusadas de deserção, 711 de saída não autorizada de uma unidade militar ou local de ação, 397 de evasão de recrutamento, 256 por fornecer assistência ilegal a indivíduos que cruzam a fronteira e 56 por evadir o recrutamento por causar ferimentos físicos a si mesmos. Os processos judiciais são mantidos em segredo. Além disso, de fevereiro a maio, mais de 3,300 homens foram pegos tentando deixar o país para evitar o recrutamento.

Muitas pessoas estão sendo forçadas a aceitar avisos preliminares. Os rodeios são relatados em muitas cidades e vilas diferentes no leste, sul e oeste da Ucrânia.

De acordo com o site anarquista 'Assembly', os avisos de convocação em Kharkov são geralmente entregues nos mesmos lugares, incluindo as entradas das estações de metrô, o complexo comercial 'Ucrânia', o escritório de identificação na Shironin Guards Street, o Mercado Comunal, o registro escritório na rua Shevchenko e locais de recreação. Avisos de convocação são forçados às pessoas por funcionários de escritórios de alistamento militar, soldados armados, combatentes da defesa territorial e policiais.

De acordo com uma testemunha ocular, as pessoas que tentavam distribuir avisos de convocação na entrada do Cinema 'Class' ficaram muito indignadas por não terem conseguido pegar ninguém...

As pessoas são recrutadas em postos de gasolina e garagens, nas ruas, nos cruzamentos, nas lojas e nos locais onde a ajuda humanitária é distribuída. Alguns tentam não aceitar avisos de convocação sentando-se nos carros e recusando-se a abrir as janelas. Alguns tentam resistir. Existem cenas. Há lutas. As mulheres tentam puxar seus homens de volta ou tirar suas identidades. Os recrutadores respondem agarrando as mulheres pelos braços, insultando-as e ameaçando-as…  

advogado de Kharkov Andrei Sitnikov relatórios: 

Eles tiram as pessoas diretamente de seus carros nos postos de controle. Eles vão aos locais de trabalho e levam qualquer um que não conseguiu fugir. Na Páscoa foram distribuir editais no cemitério. Eles os entregam nas lojas. E é claro que eles vão de casa em casa. E quando tiram pessoas de carros ou locais de trabalho, não verificam se já serviram ou não. Eles simplesmente pegam todo mundo. E na comissão médica 99% são declarados 'saudáveis'.  

Uma vez até telefonamos para o Serviço de Segurança da Ucrânia para reclamar de várias irregularidades. Disseram que não tinham tempo para tratar de tais assuntos… Conversei com recrutadores militares de alguns concelhos da província. Eles disseram que seu trabalho era enviar 200 pessoas por semana, deixar o exército descobrir de quem eles precisam e de quem não precisam. 

Nas aldeias, as pessoas em idade militar dificilmente vão trabalhar. Eles preferem não sair de casa de jeito nenhum. Mas quando visitei esses assentamentos, vi pessoas em idade militar dirigindo bons carros estrangeiros e sem medo de nada. Conversei com pessoas comuns e tudo ficou claro. Eles me explicaram que eram filhos de fazendeiros, lojistas e autoridades locais. Ou seja, eles foram pagos e foi dada ordem para não tocá-los. A casta privilegiada ainda está conosco.

Advogado Andrei Sitnikov

Em Odessa, foram entregues avisos de calado a pessoas que descansavam na praia (aliás, as autoridades proibiram o banho no mar). Com um vídeo que entrou no canal local do Telegram, você pode ver como em uma praia … um homem foge de recrutadores militares, pula no mar e sai nadando!  

Em Zaporozhye, jovens foram retirados do transporte público, tiveram seus documentos verificados e entregaram uma minuta de notificação para assinar. Houve casos em que as pessoas conseguiram se convencer do contrário e ir embora, e não foram processadas.

Na região de Chernivtsi, no rio Seret, o exército ucraniano lançou drones para localizar locais onde as pessoas se reuniam. Os soldados então partiram para esses locais com avisos de recrutamento. Os avisos foram divulgados no canal do Telegram para que as pessoas ficassem atentas e não fossem pegas.

Na Transcarpática, na tentativa de distribuir avisos de recrutamento, policiais e soldados atacaram pessoas reunidas em uma clareira perto da Cachoeira Shipot para comemorar o Dia de Ivan Kupala. Muitos tiveram que se salvar fugindo nus!

A vídeo postado no canal Telegram 'Politics of the Country' mostra mulheres na Transcarpática não permitindo a entrada de soldados em suas aldeias que vieram entregar avisos de alistamento aos homens.

Traduzido de:  https://aitrus.info/node/5987  (07 / 09 / 2022)

Foto do autor
Cresci em Muswell Hill, no norte de Londres, e entrei para o Partido Socialista da Grã-Bretanha aos 16 anos. Depois de estudar matemática e estatística, trabalhei como estatístico do governo na década de 1970 antes de ingressar em Estudos Soviéticos na Universidade de Birmingham. Eu era ativo no movimento de desarmamento nuclear. Em 1989, mudei-me com minha família para Providence, Rhode Island, EUA, para assumir um cargo no corpo docente da Brown University, onde lecionei Relações Internacionais. Depois de deixar a Brown em 2000, trabalhei principalmente como tradutora de russo. Voltei ao Movimento Socialista Mundial por volta de 2005 e atualmente sou secretário-geral do Partido Socialista Mundial dos Estados Unidos. Escrevi dois livros: The Nuclear Predicament: Explorations in Soviet Ideology (Routledge, 1987) e Russian Fascism: Traditions, Tendencies, Movements (ME Sharpe, 2001) e mais artigos, artigos e capítulos de livros que gostaria de recordar.

Artigos Relacionados

Subscrever
Receber por
convidado
Este site usa o plug-in de verificação do usuário para reduzir o spam. Veja como seus dados de comentários são processados.
0 Comentários
Comentários em linha
Ver todos os comentários