Home » Blog » Contra a Violência Policial e o Racismo

imprensa, Notícias, Política

Contra a Violência Policial e o Racismo

Os Estados Unidos estão no meio de um grande movimento social contra a violência policial e o racismo. Como socialistas, apoiamos este movimento de todo o coração e sem reservas.

by Partido Socialista Mundial EUA

Publicado em:

Atualizado:

3 min read

Os Estados Unidos estão no meio de um grande movimento social contra a violência policial e o racismo. Como socialistas, apoiamos este movimento de todo o coração e sem reservas. 

O movimento está sem liderança. Nesse aspecto, difere de seu antecessor – o movimento pelos direitos civis da década de 1960. Não ter um líder é um dos pontos fortes do movimento. Não pode ser enfraquecido cooptando ou assassinando seu líder se não tiver líder.

O movimento se assemelha ao movimento dos direitos civis em outro aspecto. A grande maioria de seus participantes está comprometida com a estratégia de resistência não violenta. Essa também é uma força do movimento, que lhe dá a base social mais ampla possível. Além das grandes manifestações em cidades de todo o país, muitas pessoas ajudaram o movimento de outras maneiras – por exemplo, jornalistas que deram cobertura solidária da mídia, moradores que deram refúgio em suas casas a manifestantes que fugiam da violência policial e motoristas de ônibus que recusou-se a transportar os manifestantes detidos para as esquadras da polícia. 

A constante expansão da base social do movimento é confirmada por uma pesquisa de opinião segundo a qual a proporção de entrevistados que dizem apoiar 'Black Lives Matter' aumentou de cerca de 40% no início de maio para quase 50% em 2 de junho. (Um quarto diz que se opõe ao BLM, um quarto que não apóia nem se opõe isto.)  

Tem havido muita violência policial, dirigida contra pessoas que protestam contra a violência policial. Em muitos lugares, a polícia foi além das normas que costumavam manter sua violência dentro de certos limites. Representantes da mídia corporativa descobriram, para seu choque e horror, que eles e seus equipamentos não estão mais a salvo de ataques policiais. Um vídeo mostra um carro da polícia avançando contra uma multidão de manifestantes – você pode ver as pessoas sendo esmagadas sob as rodas e ouvir seus gritos. 

Ao mesmo tempo, uma divisão dentro da força policial veio à tona. Em alguns lugares, policiais se juntaram aos protestos. Houve casos de um policial intervindo contra outro para proteger os manifestantes. Isso mostra que, quando um movimento goza de amplo apoio público, não se pode mais contar com a polícia para reprimi-lo.

Embora o movimento de protesto tenha sido esmagadoramente não violento, houve alguma violência em suas franjas externas. Longe de nós juntarmo-nos ao coro hipócrita de condenação moral de tal violência. É compreensível como uma resposta à violência rotineira muito maior da polícia – violência que nem sequer é chamada de violência a menos que mate alguém (ou a menos que ocorra no Irã). Acima de tudo, a violência policial é desencadeada contra pessoas pacíficas desarmadas, enquanto a contraviolência visa principalmente a propriedade. E só um racista inveterado pode lamentar a destruição de monumentos a generais e políticos confederados nos estados do sul.  

No entanto, como sempre acontece, a violência marginal recebeu intensa cobertura da mídia corporativa, assustando o público e desviando a atenção das questões de violência policial e racismo. É obrigado a estreitar a base social do movimento. Forneceu o pretexto para o toque de recolher e ainda pode servir de pretexto para invocar a Lei da Insurreição e enviar o exército. Trump tem falado muito sobre isso ultimamente, e a ideia tem um apoio público considerável. Um pesquisa de opinião realizada em 31 de maio e 1º de junho mostrou 58% dos eleitores a favor de 'implantar os militares para ajudar a polícia' e apenas 30% contra. Quantos desses entrevistados entenderam que 'mobilizar os militares' significaria afogar os protestos em sangue? Felizmente, a oposição ao destacamento militar dentro da elite do poder, dos governos estaduais e municipais e – mais crucialmente – dos generais do exército, agora fez Trump mudar de ideia. Os americanos foram salvos das consequências de sua credulidade pelo bom senso do alto escalão militar.

Trump está preparado para recuar quando for necessário, mas não desiste facilmente. Podemos esperar que ele faça mais esforços para atiçar o fogo, inculcar medo e ódio e criar condições que lhe permitam realizar seu sonho de uma ditadura militar. Ele será auxiliado nesses esforços por aqueles que se infiltraram no movimento de protesto tanto da "extrema esquerda" pseudo-revolucionária (que não sabem o que estão fazendo) quanto da "extrema direita" reacionária (que sabem exatamente o que são fazendo), bem como por agentes provocadores que trabalham para o FBI e outros elementos do 'estado profundo'.   

Quanto mais as pessoas entenderem o que está acontecendo, no entanto, mais provável será que Trump fracasse. Há motivos para esperar que o confronto que se aproxima resulte na derrota das forças mais reacionárias da sociedade americana, abrindo a perspectiva de fortalecer os componentes democráticos do sistema político e criar melhores condições para a disseminação das ideias socialistas.      

Tags: ditadura militar, violência policial, racismo

Foto do autor
Defendendo o socialismo e nada mais.

Artigos Relacionados

Subscrever
Receber por
convidado
Este site usa o plug-in de verificação do usuário para reduzir o spam. Veja como seus dados de comentários são processados.
0 Comentários
Comentários em linha
Ver todos os comentários