Início » Blog » Guerra na Ucrânia — Debate na Alemanha

imprensa, Política, Guerra

Guerra na Ucrânia — Debate na Alemanha

Exibições: 808 Em 6 de maio, o The Guardian publicou um artigo sobre duas cartas abertas endereçadas ao chanceler Olaf Scholz que haviam sido publicadas na imprensa alemã no …

by Stephen Shenfield

Publicado em:

Atualizado:

3 min read

No dia 6º de maio The Guardian trazia um artigo sobre duas cartas abertas endereçadas ao chanceler Olaf Scholz que haviam sido publicadas na imprensa alemã no início de maio. A primeira carta — iniciada por Alice Schwarzer, editora e editora-chefe da EMMA revista — apela a um cessar-fogo imediato na Ucrânia, seguido de negociações. Apareceu em EMMA em 3 de maio. (EMMA é considerado um periódico feminista, embora seu subtítulo diga que é uma revista política 'para as pessoas' e não apenas para mulheres.) A segunda carta, organizada pelo Center for Liberal Modernity (CLM), apareceu no dia seguinte no semanário liberal Die Zeit. Ele apela ao governo alemão para enviar armas para permitir que os ucranianos continuem a resistir à agressão russa.

Várias semanas depois (em 29 de junho) apareceu em Die Zeit outra carta aberta que pede novamente um cessar-fogo e negociações. A primeira assinatura é de Jakob Augstein, editor da revista Der Spiegel assim como Die Zeit. Existe uma sobreposição considerável entre este novo apelo à paz e o publicado no EMMA, em termos de argumentos apresentados e signatários. No entanto, também existem diferenças significativas entre os dois. Essas diferenças sugerem que os organizadores do novo apelo estavam tentando fazer o mesmo trabalho que Schwarzer e seus colaboradores, mas de uma forma que pudesse competir de forma mais eficaz com o apelo do CLM.

signatários

Comparemos as listas dos signatários iniciais dos apelos de Schwarzer, CLM e Augstein. 

O Schwarzer apelação tem 27 signatários iniciais. Mais da metade (17) vem do mundo das artes – produtores de cinema, atores, músicos, artistas de cabaré, romancistas e afins. Apenas dois podem ser considerados especialistas em assuntos 'difíceis' (ciência política e economia). Há apenas um político – Antje Vollmer, um verde. 

Em contraste, os 57 signatários iniciais do apelo do CLM incluem numerosos especialistas acadêmicos e jornalísticos em disciplinas relevantes. Há onze políticos de todo o espectro político: dois democratas-cristãos, dois democratas livres, dois social-democratas, quatro verdes e até mesmo um que ainda pode ser "comunista" (Gerd Koenen, ex-comunista da Liga da Alemanha Ocidental). Do mundo editorial estão Mathias Dopfner, CEO da Axel Springer, e Sebastian Turner, editor do jornal de Berlim Tagesspiegel. E do mundo da diplomacia: Thomas Enders, ex-executivo da Airbus que agora é presidente do Conselho Alemão de Relações Exteriores, e o veterano diplomata Wolfgang Ischinger, que serviu como embaixador da Alemanha nos Estados Unidos e presidente da Conferência de Segurança de Munique. É verdade que os signatários também incluem um pianista, um comediante, uma modelo e um 'treinador de vida'.  

Os 21 signatários iniciais do apelo de Augstein são menos impressionantes em alguns aspectos, mas mais em outros. Eles incluem oito especialistas em ciência política, economia, relações internacionais e direito internacional (dois deles são professores americanos). Há outro diplomata veterano – Michael von der Schulenburg, que já representou a Alemanha (Ocidental) nas Nações Unidas e na Organização para a Segurança e Cooperação na Europa e participou de missões de paz no Iraque e em Serra Leoa. E o único militar a assinar qualquer um dos três apelos - General Erich E. Vad, ex-Diretor de Política de Segurança da Chancelaria Federal, Secretário do Conselho de Segurança Federal e Conselheiro de Política Militar da Chanceler Angela Merkel (2006-2013). 

Acho que podemos concluir com base nesses dados que tanto o establishment político alemão quanto a intelectualidade alemã estão profundamente divididos sobre a questão ucraniana. Esta divisão não corresponde à divisão entre esquerda e direita.

Argumentos

Comparemos primeiro os argumentos apresentados nos recursos de Schwarzer e Augstein. Ambos os apelos visam, acima de tudo, que as hostilidades cessem o mais rápido possível e a paz (no sentido estrito da ausência de guerra) seja restaurada. Ambos argumentam que isso é essencial para reduzir o risco de escalada para uma guerra nuclear europeia e/ou global mais ampla, mas também para amenizar a crise humanitária na Ucrânia e o sofrimento de sua população. No entanto, apenas o apelo de Augstein discute a necessidade de limitar o impacto mundial da guerra na Ucrânia, com referência especial à interrupção das exportações de alimentos da Ucrânia e da Rússia e as resultantes condições de fome na África. O apelo de Augstein apresenta o argumento adicional de que, na opinião de especialistas militares, os objetivos que o governo ucraniano deseja perseguir ao continuar a luta são irrealistas. 

O apelo do CLM reconhece que a expansão da guerra e sua escalada para uma guerra nuclear devem ser evitadas. No entanto, enquadra esta tarefa em termos de dissuasão. Putin deve ser dissuadido de atacar outros países e de usar armas nucleares. Os apelos de Schwarzer e Augstein não consideram a ameaça que a Rússia pode representar para outros países além da Ucrânia. Eles assumem que ou pode recorrer ao uso de armas nucleares sob certas circunstâncias e que o uso nuclear provavelmente será resultado de acidente, erro de cálculo, mal-entendido ou perda de controle político. Assim, há um risco elevado de guerra nuclear enquanto as hostilidades continuarem.

Opinião Popular

A Preto e CLM os apelos foram postados no change.org, um site para petições públicas. Até 6 de julho, eles haviam reunido 311,366 e 91,928 assinaturas, respectivamente – ou seja, o apelo ao cessar-fogo imediato obteve mais de três vezes mais apoio do que o apelo ao envio de armas à Ucrânia.[1]  

O povo quer paz!

Note

[1] Como change.org é um site internacional, é duvidoso que todos os signatários sejam alemães. Enquanto o apelo Schwarzer é exibido apenas em alemão, o recurso CLM é exibido em alemão, inglês e ucraniano. A proporção de signatários não alemães provavelmente será maior para o recurso CLM, portanto, uma correção para excluir signatários não alemães aumentar a proporção em favor do recurso de Schwarzer.  

Foto do autor
Cresci em Muswell Hill, no norte de Londres, e entrei para o Partido Socialista da Grã-Bretanha aos 16 anos. Depois de estudar matemática e estatística, trabalhei como estatístico do governo na década de 1970 antes de ingressar em Estudos Soviéticos na Universidade de Birmingham. Eu era ativo no movimento de desarmamento nuclear. Em 1989, mudei-me com minha família para Providence, Rhode Island, EUA, para assumir um cargo no corpo docente da Brown University, onde lecionei Relações Internacionais. Depois de deixar a Brown em 2000, trabalhei principalmente como tradutora de russo. Voltei ao Movimento Socialista Mundial por volta de 2005 e atualmente sou secretário-geral do Partido Socialista Mundial dos Estados Unidos. Escrevi dois livros: The Nuclear Predicament: Explorations in Soviet Ideology (Routledge, 1987) e Russian Fascism: Traditions, Tendencies, Movements (ME Sharpe, 2001) e mais artigos, artigos e capítulos de livros que gostaria de recordar.

Artigos Relacionados

Subscrever
Receber por
convidado
Este site usa o plug-in de verificação do usuário para reduzir o spam. Veja como seus dados de comentários são processados.
0 Comentários
Comentários em linha
Ver todos os comentários