Início » Blog » Cativos da Coca-Cola

Capitalismo, Economia, saúde, Tecnologia

Cativos da Coca-Cola

Por que as pessoas de San Cristobal, no estado de Chiapas, no México, bebem tanta Coca-Cola e o que isso faz com elas.

by Stephen Shenfield

Publicado em:

Atualizado:

4 min read

Em julho de 2018 a atenção de The New York Times e depois Escudeiro A revista foi de alguma forma atraída para uma cidade montanhosa no sul do México e a quantidade verdadeiramente notável de Coca-Cola consumida por seus residentes. A British Broadcasting Corporation produziu um documentário No mesmo tópico.

A cidade é San Cristobal, no Planalto Central de Chiapas, o estado mais pobre e ao sul do México. Um terço de seus cerca de um quarto de milhão de residentes são descendentes de maias. Seu consumo médio diário per capita da 'bebida mais amigável do mundo' é de um galão - uma garrafa inteira de dois litros e quase um segundo, entregue em várias lojas de conveniência locais de uma fábrica de engarrafamento nos arredores da cidade.

Impactos na saúde

A Coca-Cola foi comercializada pela primeira vez em 1886. O nome refere-se a dois dos ingredientes originais – folhas de coca, que são a fonte da cocaína, e nozes de cola, que contêm cafeína. Ambos são viciantes. Desde 1904, as folhas de coca usadas não são frescas, mas “gastas” – sobras após a conclusão do processo de extração da cocaína. No entanto, apesar das alegações em contrário, eles ainda contêm vestígios de cocaína. 

Esta dose diária de Coca-Cola tomada pelos moradores de San Cristobal contém meio quilo de açúcar. Portanto, não deve ser surpresa que a cada ano mais de 3,000 deles morram de diabetes. É uma maneira desagradável de morrer. Os sintomas típicos são micção frequente, fome e sede (apesar de comer e beber), fadiga, visão turva, feridas de cicatrização lenta, infecções recorrentes, formigamento, dor ou dormência nas mãos ou pés, olhos fundos, respiração rápida, dor de cabeça, dores musculares dores, desidratação, náuseas, dor de estômago e cólicas, vómitos, edema cerebral e coma. 

Além do diabetes, o excesso de açúcar causa obesidade, cárie dentária e doença hepática gordurosa e aumenta o risco de derrames, doenças cardíacas, câncer e demência. Pesquisadores que estimaram a carga de doenças associadas ao consumo de bebidas adoçadas com açúcar (SSBs) em 2010 descobriram que esse consumo é responsável por 184,000 mortes por ano - 133,000 por diabetes, 45,000 por doenças cardíacas, 6,500 por câncer.[1] 

Essas mortes se concentraram em países de renda alta (24%) e especialmente de renda média (71%). SSBs foram responsáveis ​​pela maior proporção de todas as mortes – 12% – no México, subindo para 30% em mexicanos com menos de 45 anos. Em 2014, o México ultrapassou os Estados Unidos em consumo de SSB per capita. Naquele ano, os mexicanos beberam em média 106 litros de Coca-Cola, os americanos 99.5.

Além disso, o açúcar não é o único ingrediente nocivo da Coca-Cola. Há também a cafeína, que aumenta a pressão arterial e pode causar desidratação, além de problemas urinários e respiratórios. Existe o ácido fosfórico, que, como o açúcar, causa cárie dentária, retarda a digestão, pode produzir insuficiência renal ou cálculos renais e impede a absorção de cálcio pelos ossos, levando à osteoporose. Por fim, o caramelo usado para colorir a bebida é cancerígeno. 

Por que eles bebem tanta Coca-Cola?

Os observadores falam sobre o 'vício' da Coca-Cola, e ela contém três substâncias viciantes – cocaína, cafeína e açúcar. Também se diz que a Coca-Cola se tornou parte integrante da cultura local em Chiapas. Muitos indígenas acreditam que a Coca-Cola pode curar os doentes. O documentário da BBC apresenta um 'curandeiro' sacrificando uma galinha à 'Deusa Maria' junto com uma oferta de Coca-Cola. 

No entanto, enquadrar o problema em termos de vício ou 'cultura' dá a impressão de que pode ser resolvido com o auxílio de terapia e educação em saúde. Este não é o caso. Os moradores de San Cristobal não têm escolha real. Mesmo aqueles que estão plenamente conscientes do prejuízo causado à saúde pela ingestão de grandes quantidades de Coca-Cola não têm alternativa melhor. Afinal, eles precisam beber água e a Coca-Cola pelo menos contém água limpa, extraída de um aquífero profundo e não poluído. 

A água limpa está disponível de qualquer outra fonte? Considere possíveis alternativas.

A cidade não possui estação de tratamento de esgoto. O esgoto não tratado vai direto para os cursos d'água. Esta é a água que sai, de vez em quando, da torneira, contaminada por E. Coli e outros patógenos:

“Sintomas de produção de toxina Shiga E. coli (STEC) variam para cada pessoa, mas geralmente incluem cólicas estomacais graves, diarreia (muitas vezes com sangue) e vômitos. Algumas pessoas podem ter febre, que geralmente não é muito alta (menos de 101˚F/38.5˚C). A maioria das pessoas melhora dentro de 5 a 7 dias. Algumas infecções são muito leves, mas outras são graves ou até fatais.”[2]

E os caminhões-pipa que ocasionalmente passam pelo seu bairro? Tenho informações específicas sobre água transportada em San Cristobal, mas aqui está uma avaliação da água transportada na Cidade do México:

A água transportada por caminhão costuma ter qualidade superior à notória água da torneira da cidade, mas sua qualidade varia significativamente. Muitos fornecedores simplesmente fornecem água da torneira filtrada em caminhões de aço - e outros podem trazer água de qualidade tão ruim que é imprópria para beber.[3]

A situação em San Cristobal, atingida pela pobreza, é presumivelmente pior do que na capital.

Se água da torneira e água transportada não são opções seguras, então por que não comprar não Coca-Cola, mas água engarrafada retirada do aquífero? E/ou outras bebidas conhecidas por conterem água limpa — leite, suco de fruta, cerveja? 

Isso seria realmente uma coisa sensata a fazer. Mas Escudeiro observa, sem mais explicações, que a água engarrafada é "difícil de encontrar". O mesmo acontece, talvez, com outras bebidas de água limpa. Talvez a Coca-Cola seja a única bebida de água limpa amplamente disponível nesta cidade? 

Para mostrar por que isso pode acontecer, devo abordar o aspecto comercial da produção e distribuição da Coca-Cola em San Cristobal. 

O Aspecto Comercial

The Coca-Cola Company é uma corporação multinacional com sede nos Estados Unidos. Ela não produz Coca-Cola, mas um concentrado de xarope ou pasta que precisa ser diluído em água para fazer a Coca-Cola. vende o concentrado para empresas engarrafadoras que fabricam a Coca-Cola, engarrafam e vendem em várias regiões do mundo para as quais compraram direitos exclusivos.[4] A engarrafadora que detém os direitos de engarrafar e vender a Coca-Cola no México, bem como em outros nove países latino-americanos, é a FEMSA (sigla em espanhol para Mexican Economic Promotions). FEMSA é uma empresa multinacional de bebidas e varejo com sede no México. É a FEMSA que possui e opera a planta de engarrafamento em San Cristobal. Também possui redes de varejo, incluindo a OXXO, a maior rede de lojas de conveniência do México.

Aqui, novamente, não tenho informações específicas sobre San Cristobal, mas uma razão plausível pela qual a água engarrafada é 'difícil de encontrar' seria a propriedade da FEMSA das lojas de varejo da cidade. Se uma mesma empresa fosse proprietária das lojas de varejo e da fábrica de engarrafamento da Coca-Cola, dificilmente permitiria que suas lojas exibissem bebidas que concorressem com a Coca-Cola.

De acordo com um antigo acordo entre a FEMSA e o governo federal mexicano, a empresa paga pela água captada do aquífero a uma taxa muito baixa – cerca de 10 centavos por cada 260 galões, o que dá US$ 120 por dia ou US$ 44,000 por ano. Mesmo esse pagamento muito modesto vai para o governo federal, não para o governo local, e não pode ser usado para necessidades locais. A FEMSA se ofereceu para construir uma estação de tratamento de esgoto para fornecer água potável a 500 famílias, mas essa medida simbólica foi abandonada quando a empresa percebeu que não impediria os protestos locais.

Por que o governo mexicano permitiria que essa situação continuasse? Deve-se lembrar que Vicente Fox, presidente do México em 2000-2006, foi ex-executivo-chefe da Coca-Cola Company no México. Esse fato sugere a influência política do negócio da Coca-Cola no México.

Um Monopólio da Água Limpa

Os propagandistas do capitalismo gostam de insistir na ampla escolha que a "economia de mercado" oferece aos consumidores. Eles se esquecem de mencionar que isso é verdade apenas em um mercado competitivo e que a maioria dos mercados não é mais competitiva. Eles são oligopolistas, com algumas poucas grandes empresas que conspiram para limitar a escolha do consumidor, ou monopolistas, com uma única empresa em posição de ditar os termos aos seus clientes. 

Em um lugar como San Cristobal, uma necessidade humana vital – água limpa – foi transformada em uma mercadoria monopolizada por um único fornecedor. Este fornecedor explora sua posição de monopólio para obrigar os moradores a comprar água limpa de si mesma e misturada com outras substâncias que destroem sua saúde e condenam muitos deles a uma morte precoce e miserável. 

Fim da história?

A mudança climática trouxe uma redução acentuada e persistente das chuvas no planalto central do estado de Chiapas. Tanto as fontes de água superficiais quanto as profundas estão se esgotando rapidamente. Se isso continuar por muito tempo, a região não será mais capaz de sustentar uma grande população e a maioria das pessoas de San Cristobal se juntará ao crescente fluxo de refugiados ambientais. A certa altura, seja pelo esgotamento do aquífero ou pela queda do número de consumidores, fabricar, engarrafar e vender a Coca-Cola deixará de ser uma operação comercialmente viável. Os diretores da fábrica partirão satisfeitos com o excelente trabalho que realizaram para os acionistas da FEMSA. 

E assim a história vai acabar. A menos que?

Notas

[1] https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pmc/articles/PMC4550496/

[2] https://www.cdc.gov/ecoli/ecoli-symptoms.html

[3]

https://www.koshland-science-museum.org/water/html/en/Distribution/Water-Trucks-in-Mexico.html

[4] Um camarada foi mostrado em uma fábrica de engarrafamento da Pepsi-Cola. Quando ele entrou na sala refrigerada onde o concentrado estava armazenado, o fedor era tão forte que ele teve que sair imediatamente. Ele sentiu que, caso contrário, entraria em colapso.  

Tags: vício, Coca-cola, diabetes, monopólio, Água

Foto do autor
Cresci em Muswell Hill, no norte de Londres, e entrei para o Partido Socialista da Grã-Bretanha aos 16 anos. Depois de estudar matemática e estatística, trabalhei como estatístico do governo na década de 1970 antes de ingressar em Estudos Soviéticos na Universidade de Birmingham. Eu era ativo no movimento de desarmamento nuclear. Em 1989, mudei-me com minha família para Providence, Rhode Island, EUA, para assumir um cargo no corpo docente da Brown University, onde lecionei Relações Internacionais. Depois de deixar a Brown em 2000, trabalhei principalmente como tradutora de russo. Voltei ao Movimento Socialista Mundial por volta de 2005 e atualmente sou secretário-geral do Partido Socialista Mundial dos Estados Unidos. Escrevi dois livros: The Nuclear Predicament: Explorations in Soviet Ideology (Routledge, 1987) e Russian Fascism: Traditions, Tendencies, Movements (ME Sharpe, 2001) e mais artigos, artigos e capítulos de livros que gostaria de recordar.

Artigos Relacionados

Subscrever
Receber por
convidado
Este site usa o plug-in de verificação do usuário para reduzir o spam. Veja como seus dados de comentários são processados.
0 Comentários
Comentários em linha
Ver todos os comentários