Home » Blog » Mas e a espiral de preços e salários?

Capitalismo, Economia, marxismo

Mas e a espiral de preços e salários?

Exibições: 1,781 Fundação do argumento espiral Em quase todas as entrevistas da mídia nos últimos meses, Mick Lynch, secretário-geral do Sindicato Nacional dos Ferroviários, Marítimos e …

by Michael Schauerte

Publicado em:

Atualizado:

7 min read

Foto enviada por Gabriel Cocos on 500px.com.

Fundação do argumento da espiral

Em quase todas as entrevistas à mídia nos últimos meses, Mick Lynch, secretário-geral do Sindicato Nacional dos Trabalhadores Ferroviários, Marítimos e de Transportes do Reino Unido, teve que responder a uma pergunta sobre a temida “espiral preço-salário”. O argumento, geralmente apresentado como um fato evidente, é que aumentar os salários dos trabalhadores para acompanhar o aumento dos preços só aumentará os preços, prolongando a agonia dos consumidores. 

Lynch rebateu o argumento de forma eficaz, apontando que os preços subiram apesar da estagnação dos salários reais e muito antes de suas ações industriais e de outros sindicatos. Ele expõe assim o absurdo de culpar os trabalhadores pelos aumentos de preços. O culpado que ele identifica são empresas obscenamente lucrativas que usam paraísos fiscais para resistir à redistribuição de renda. Aqui, seu argumento fica um pouco confuso, pois ele não explica exatamente como os lucros altos aumentam os preços. Mas Lynch destaca um ponto importante ao enfatizar que um aumento salarial para os trabalhadores poderia ser retirado desses lucros, em vez de exigir o aumento dos preços das commodities. Desta forma, ele aponta para o ponto central que este artigo tentará explicar: salários e lucros estão em uma relação antagônica, onde os ganhos de um lado ocorrem às custas do outro. Assim, um aumento de salários – ou (contra a visão “Lynchiana”) no lucro – não resulta necessariamente em preços de commodities mais altos. 

Os comentaristas que falam sobre uma espiral de preços e salários, em contraste, assumem que o ônus das empresas de pagar salários mais altos aos trabalhadores teria que ser compensado por preços mais altos. O argumento parece não apenas plausível, mas de bom senso, e os contra-argumentos feitos por Lynch e outros, apesar de levantarem pontos importantes e serem retoricamente eficazes, não conseguem expor sua base instável. 

Na base do argumento da espiral está a suposição de que os preços das commodities são os soma dos salários, do lucro e dos meios de produção, de modo que, se qualquer uma dessas partes aumentar de preço, o preço total da mercadoria deverá aumentar. Novamente, isso parece bastante plausível. Mas, há mais de dois séculos, David Ricardo refutou esse tipo de teoria do valor, demonstrando como os salários e o lucro não são os componentes do preço da mercadoria, mas os distribuído partes do valor da mercadoria já existente. Essa visão é baseada na ideia de que o valor de uma mercadoria é fundamentalmente determinado pela quantidade de tempo de trabalho necessário para produzi-la. Aqui temos um trabalho teoria do valor – iniciada por Smith, purificada por Ricardo e aperfeiçoada por Marx.

A única maneira de entender a ideia contra-intuitiva de que os salários são as partes distribuídas (em vez de componentes) do valor é examinar minuciosamente as formas de salário e lucro surpreendentemente enganosas, que geralmente são tidas como certas. 

As formas enganosas de salário e lucro

À primeira vista, os salários parecem ser o pagamento pelo trabalho realizado. Afinal de contas, os salários são pagos por hora, semana ou mês, etc. Mas se os salários são o pagamento do trabalho, como podemos explicar as diferenças nos salários pagos por tipos idênticos de trabalho entre lugares diferentes? Os trabalhadores automotivos no Vietnã, por exemplo, recebem um salário muito menor do que seus colegas na Alemanha, que executam tarefas semelhantes, se não idênticas. Se o salário por hora é determinado pela natureza do próprio trabalho, por que os salários variam tanto?

Na verdade, todo mundo que lê isso sabe por que os salários em um país em desenvolvimento como o Vietnã são mais baixos do que em um país desenvolvido como a Alemanha. Essas diferenças correspondem à diferença no custo de vida, que reflete os preços de alimentação, vestuário, moradia, transporte etc. E diferenças semelhantes existem dentro de um mesmo país entre áreas urbanas e rurais – ou mesmo entre cidades diferentes. Esses fatos óbvios sugerem que o que determina fundamentalmente o nível de salário para um determinado trabalho não é o trabalho em si, mas o valor das mercadorias que um trabalhador deve consumir para continuar vivendo e trabalhando. Um salário deve ser suficiente para “reproduzir” essa capacidade de trabalho. 

Marx usa o termo “força de trabalho” para se referir a essa capacidade que é comprada e vendida como uma espécie de mercadoria no mercado de trabalho. Como outras mercadorias, o valor da força de trabalho se reduz ao tempo de trabalho necessário para produzi-la, mas isso é determinado indiretamente pelo tempo de trabalho socialmente necessário necessário para produzir as mercadorias e serviços que um trabalhador consome para continuar trabalhando (e criar uma família). . O salário é o pagamento por essa mercadoria força de trabalho. Assim, qualquer aumento nos preços das mercadorias e serviços consumidos pelos trabalhadores precisará se refletir em um salário mais alto para evitar a deterioração da qualidade de vida e da capacidade de trabalho. 

É claro que existem diferenças significativas entre os salários pagos aos trabalhadores que executam diferentes tipos de trabalho. Um piloto de avião ou cirurgião, por exemplo, recebe muito mais do que um balconista ou garçom. Mas essas diferenças também podem ser explicadas do ponto de vista da força de trabalho, uma vez que, em média, em seu valor diário estão os custos de educação e treinamento necessários para adquirir certas habilidades e conhecimentos relacionados ao trabalho. Em outras palavras, embora essas diferenças salariais pareçam ser determinadas pelo próprio trabalho, elas são, na verdade, um reflexo das diferenças no valor da força de trabalho. 

Entendendo que “força de trabalho” e “trabalho” são dois separado conceitos é a chave para entender a fonte de lucro. Um capitalista pode obter lucro quando o tempo de trabalho que os trabalhadores gastam no processo de produção para criar novas mercadorias excede o tempo de trabalho necessário para produzir as mercadorias (etc.) que consomem. Por exemplo, se as mercadorias consumidas por um trabalhador exigiram quatro horas de trabalho para produzir, mas o trabalhador trabalha oito horas no processo de produção, o capitalista que contratou esse trabalhador está recebendo quatro horas de trabalho gratuitamente. O fato de o lucro se resumir a “trabalho não pago” parece contra-intuitivo porque o salário, calculado por hora, esconde essa exploração, fazendo parecer que equivale a oito horas de trabalho. 

Se o lucro deriva do tempo de trabalho gasto no processo de produção que excede a força de trabalho incorporada nas mercadorias consumidas pelos trabalhadores, isso significa que qualquer aumento no salário para comprar força de trabalho reduzirá a quantidade de trabalho não pago embolsado pelo capitalista (supondo que a produtividade do trabalho e outras condições permanecem inalteradas). Por exemplo, se os salários fossem aumentados a ponto de permitir o consumo de mercadorias que exigiam cinco horas de trabalho para serem produzidas em vez de quatro, o capitalista receberia apenas três horas de trabalho não pago.

Pode parecer que o capitalista, neste caso, poderia simplesmente aumentar o preço das novas mercadorias produzidas de modo a continuar gastando quatro horas – e essa é, de fato, a suposição do argumento da espiral. Mas essas mercadorias continuariam a exigir a mesma quantidade de tempo de trabalho para serem produzidas e, portanto, teriam o mesmo valor intrínseco de antes. Qualquer capitalista que decidisse aumentar os preços de uma mercadoria consideravelmente acima de seu valor correria o risco de ser subvendido pelos rivais, particularmente aqueles que aumentaram a intensidade do trabalho ou mantiveram os salários sob controle. Em primeiro lugar, os capitalistas não estariam reclamando da espiral preço-salário se os aumentos salariais pudessem ser tão facilmente compensados ​​por preços mais altos. 

Commodities vendidas pelo seu “preço de produção”

A teoria do valor-trabalho fornece a refutação mais fundamental da espiral salário-preço, mas essa teoria está em um alto nível de abstração e não diretamente explicar os preços reais das commodities. Ou seja, embora o tempo de trabalho necessário para produzir uma mercadoria determine basicamente seu valor, as mercadorias não são trocadas a preços que estejam exatamente de acordo com seu valor intrínseco. Portanto, é necessário considerar qual efeito, se houver, um aumento nos salários teria sobre os preços reais.  

Uma razão importante pela qual as mercadorias não tendem a ser vendidas a preços correspondentes exatamente ao valor é que isso pode resultar em taxas de lucro muito diferentes, dependendo das condições particulares de produção. Este ponto pode ser melhor compreendido considerando um exemplo numérico, como o seguinte:

Setor A: 9,000c + 3,000v + 3,000s = 15,000

Setor B: 3,000c + 3,000v + 3,000s = 9,000

A intensidade do trabalho é diferente em cada setor, refletindo diferenças nas condições de produção. O setor A é menos intensivo em trabalho, pois três vezes mais capital é investido em “capital constante” (c) para comprar os meios de produção do que é investido em “capital variável” (v) para comprar força de trabalho. Em contraste, para o Setor B, mais intensivo em mão de obra, o capital é dividido igualmente entre capital constante e variável. Cada setor gera 1,000 em “mais-valia”(s) e sua “taxa de mais-valia” (= s ÷ v), que expressa o grau de exploração do trabalho, é de 100%:

6,000s ÷ (12,000c + 6,000v) × 100 = 25%

Mesmo que a quantidade e a taxa de mais-valia sejam as mesmas, a taxa de lucro para cada setor seria bem diferente. Isso ocorre porque a taxa de lucro expressa o retorno sobre total investimento e é, portanto, o resultado da divisão da mais-valia tanto pelo capital variável quanto pelo capital constante. Como a proporção de capital variável em relação ao constante é bastante diferente nos dois setores, suas taxas de lucro também diferem naturalmente: 25% no Setor A (= 3,000 ÷ 12,000) e 50% no Setor B (= 3,000 ÷ 6,000). 

O setor menos intensivo em trabalho tem uma taxa de lucro menor porque o “capital constante”, como o nome indica, não gera nenhum valor novo: é simplesmente a transferência do valor dos meios de produção, tal como está, para o valor das novas mercadorias. Em contraste, o “capital variável” paga o salário dos trabalhadores que são colocados para trabalhar e podem então gerar mais valor do que o valor de sua força de trabalho (como já explicado). Assim, embora as equações para os dois setores possam parecer o próprio tipo de teoria da “composição” do valor criticada anteriormente, com três fatores parecendo constituir o valor das mercadorias, o capital variável e o mais-valor podem de fato ser vistos como deduções do novo valor criado no processo de produção através do dispêndio de trabalho. Sem o valor adicional criado nesse processo, não haveria fonte para pagar salários ou embolsar lucros. (E na maioria dos casos os salários são de fato pagos depois de o trabalho foi executado.) 

Nem é preciso dizer que, se o capital investido no Setor B rendesse o dobro do retorno do capital investido no Setor A, o investimento naturalmente gravitaria em direção a esse setor. O maior investimento no Setor B aumentaria a oferta de commodities acima da demanda do consumidor, empurrando os preços para baixo, assim como ocorreria o oposto no Setor A. Isso, por sua vez, reduziria o lucro no Setor B e o empurraria para cima no Setor A, nivelando assim fora a taxa de lucro. Desta forma, há uma tendência sob o capitalismo para a formação de uma “taxa média de lucro”.

Em nosso exemplo, a taxa média de lucro entre eles poderia ser calculada somando-os e dividindo a mais-valia total pelo capital constante e variável, como segue:

Setores A + B: 12,000c + 6,000v + 6,000s = 24,000

Taxa de lucro: 33.3% (= 6,000 ÷18,000 × 100)

Se esses dois setores constituíssem toda a produção da sociedade, os preços girariam em torno de um patamar equivalente ao “preço de custo” (c + v) mais o lucro médio. Marx chamou isso de “preço de produção”. 

O lucro médio seria de 4,000 no Setor A (= 33.3% de 12,000) e 2,000 no Setor B (= 33.3% de 6,000), de modo que o preço de produção em cada setor seria o seguinte (“p” = “lucro”) :

Setor A: 9,000c + 3,000v + 4,000p = 16,000

Setor B: 3,000c + 3,000v + 2,000p = 8,000

O preço de produção, portanto, sobe acima do valor no Setor A e abaixo dele no Setor B. 

Pode parecer bobo ter gasto tanto tempo discutindo a teoria do valor-trabalho se descobrirmos que as mercadorias são vendidas por seus preços de produção, e não por seu valor. No entanto, a “lei do valor” ainda está em vigor – embora agora de forma indireta – uma vez que a taxa média de lucro tem como premissa a quantidade de mais-valia existente, e o valor total é igual ao preço total de produção, assim como a mais-valia total é igual a lucro total. (A conexão entre valor e preço de produção, esclarecida por Marx, é algo que iludiu Smith e Ricardo – o primeiro muitas vezes resvalou para uma teoria da composição do valor, enquanto o último tentou diretamente aplicar sua teoria do valor-trabalho para explicar os preços.) 

Efeito do aumento salarial sobre os preços de produção

Com base no conceito de preço de produção, agora é possível considerar mais de perto o efeito que um aumento salarial teria sobre os preços. Um aumento de 20% nos salários, por exemplo, alteraria a proporção entre capital variável e capital excedente. O capital variável aumentaria de 3,000 para 3,600, enquanto a mais-valia diminuiria proporcionalmente de 3,000 para 2,400. Em outras palavras:

Setor A: 9,000c + 3,600v + 2,400s = 15,000

Setor B: 3,000c + 3,600v + 2,400s = 9,000

Com base nisso, a taxa média de lucro cairia de 33.3% para 25%, como resultado da divisão da mais-valia total pela soma do capital variável e constante total:

4,800s ÷ (12,000c + 7,200v) × 100 = 25%

A nova taxa média de lucro seria a base para novos preços de produção: 

Setor A: 9,000c + 3,600v + 3,150p = 15,750

Setor B: 3,000c + 3,600v + 1,650p = 8,250

Como resultado do aumento salarial, o preço de produção do Setor A diminui de 16,000 para 15,750, enquanto o preço de produção do Setor B aumenta de 8,000 para 8,250. (No entanto, o preço de produção combinado de ambos os setores permanece igual ao valor, em 24,000.)

Recorde-se que o Setor B era o setor mais intensivo em mão-de-obra, onde o preço de produção era inferior ao valor, enquanto o contrário acontecia no Setor A. Este exemplo mostra, portanto, que em setores de produção com uma proporção relativamente alta de capital variável, como o Setor B, um aumento salarial pode aumentar os preços, mas tenderia a diminuir os preços nos setores menos intensivos em mão-de-obra. 

O fato de os preços subirem em alguns setores e baixarem em outros já deveria colocar em xeque o cenário de pesadelo de uma espiral preço-salário. Mas, para dar ao argumento da espiral a melhor chance de sucesso, podemos assumir que a maioria dos bens consumidos pelos trabalhadores é produzida no Setor B, onde o preço de produção sobe após o aumento salarial. 

Os preços mais altos dos bens no Setor B neutralizariam um pouco o aumento salarial. Mas a improbabilidade de que isso leve a uma espiral de preços deve ficar clara se considerarmos a diferença de escala entre o aumento salarial de 20% e o aumento do preço da produção no Setor B. Em nosso exemplo, os salários (capital variável) subiram de 6,000 para 7,200, enquanto o preço de produção subiu apenas de 8,000 para 8,250. Além disso, considerando que pelo menos alguns bens para os trabalhadores seriam produzidos no Setor A, onde o preço da produção caiu, a possibilidade de uma espiral inflacionária mortal parece ainda menos provável.

No entanto, um aumento nos salários aumentaria ainda mais a demanda por mercadorias consumidas pelos trabalhadores, de modo que é provável que o preço de mercado desses bens subisse acima do preço de produção. Tal aumento de preços, no entanto, seria simplesmente o resultado de um desequilíbrio temporário entre oferta e demanda, continuando apenas enquanto oferta e demanda estivessem fora de equilíbrio. E os bens consumidos principalmente pelos capitalistas provavelmente cairiam de preço como resultado do caso oposto, onde a oferta excede a demanda. 

Em suma, a espiral preço-salário (apresentada como um fato evidente) é apenas um argumento egoísta usado pela classe capitalista para defender seus lucros ilícitos. 

Note. Esta é uma versão completa de um artigo publicado na edição de setembro de 2022 da O Padrão Socialista.

Tags: preço de produção, taxa de lucro, espiral preço-salário

Artigos Relacionados

Subscrever
Receber por
convidado
Este site usa o plug-in de verificação do usuário para reduzir o spam. Veja como seus dados de comentários são processados.
0 Comentários
Comentários em linha
Ver todos os comentários