Início » Blog » Cuidado — Celulares!

Meio Ambiente, saúde, Ciência, Tecnologia

Cuidado — Celulares!

Os telefones celulares estão por toda parte. Quase todo mundo tem um. Mas há evidências científicas crescentes dos danos que sua radiação causa à saúde humana, especialmente à saúde das crianças.

by Stephen Shenfield

Publicado em:

Atualizado:

4 min read

"celular"Por samantha celera está licenciado sob CC BY-ND 2.0.

De acordo com o Pew Research, quase todos os adultos americanos – 97% – agora possuem um telefone celular. De fato, o número para jovens adultos (18 a 49 anos) é de 100%, mas para idosos (65 anos ou mais) é 'apenas' 92%. Minha esposa e eu estamos entre os 8% que não têm um.

Fica cada vez mais difícil viver sem celular. Muitos trabalhos requerem seu uso. Para verificar sua identidade e obter acesso a uma conta online, você geralmente precisa reenviar um código por mensagem de texto para um telefone celular. É verdade que, quando a Administração do Seguro Social introduziu esse requisito, os protestos recebidos de aposentados sem telefone celular (inclusive eu) os levaram a permitir outros métodos de verificação de identidade. No entanto, o alívio é temporário. As empresas de telecomunicações planejam eliminar completamente os telefones fixos.

Mas não são apenas os adultos que usam telefones celulares. A idade média em que as crianças agora ganham seu primeiro telefone celular é de seis anos. Isso significa que muitos obtêm os seus ainda mais cedo. É comum divertir os bebês mostrando imagens em movimento no celular. 

E, no entanto, há evidências científicas crescentes dos danos que a radiação emitida por telefones celulares e outros dispositivos eletrônicos está causando à saúde humana e, acima de tudo, aos organismos imaturos dos jovens. Os órgãos em maior perigo são o cérebro (por exemplo, dores de cabeça, danos à memória e concentração, maior risco de câncer no cérebro) e os órgãos reprodutivos. Os testículos irradiados por um telefone celular carregado no bolso produzem menos espermatozoides e de pior qualidade. As mulheres que carregam um telefone celular dentro do sutiã correm maior risco de câncer de mama.  

A pesquisa mostra que a exposição à radiação mina progressivamente a integridade da estrutura corporal. Isso ocorre, primeiro, pela criação de lacunas nas membranas que separam uma célula da outra; e, segundo, pelo enfraquecimento das barreiras que protegem o cérebro e o fígado de infecções (as barreiras sangue-cérebro e sangue-bilis), impedindo a entrada de todas as partículas, exceto as mais ínfimas.        

Precauções

Os danos causados ​​à saúde podem ser significativamente reduzidos, embora não eliminados, por meio de algumas precauções simples. Um telefone celular não deve ser carregado no bolso, mas bem longe do corpo humano – digamos, do lado de fora de uma sacola de compras. Quando em uso, não deve ser segurado diretamente contra a orelha, mas com uma abertura de pelo menos uma polegada, com o auxílio de um fone de ouvido. 

Os fabricantes podem recomendar tais precauções, mas apenas em letras pequenas. Eles evitam chamar muita atenção para questões de saúde, temendo que uma maior conscientização do público sobre eles diminua as vendas. Pessoas que nem mesmo sabem que há motivo para preocupação não podem se preocupar com precauções.

Existem alguns países onde parece haver menos ignorância do que nos Estados Unidos em relação à ameaça à saúde representada pelos telefones celulares. Eles foram banidos de jardins de infância e escolas na Grã-Bretanha, França, Israel e algumas províncias e/ou cidades da Alemanha, Áustria e Índia.   

A agência do governo dos EUA responsável pela regulamentação do setor de telecomunicações é a Federal Communications Commission (FCC). Embora a FCC, por meio de seu Comitê Consultivo do Consumidor, se preocupe com certas queixas dos consumidores, principalmente de natureza financeira, em questões de saúde ela apóia totalmente as corporações que constituem 'a indústria'.   

A posição da indústria é exigir certa prova de nexo causal como condição para admitir a existência de um risco à saúde. Sendo a certeza absoluta inatingível, isso significa sempre dar o benefício da dúvida aos lucros da indústria. No entanto, de acordo com o 'princípio da precaução', é a saúde pública que deve receber o benefício da dúvida.

Os poucos pesquisadores americanos independentes que tentam alertar o público sobre os perigos da radiação do telefone celular, como o Dr. Joel Moskowitz, da Universidade da Califórnia, Berkeley, são ridicularizados como 'verdadeiros', fornecedores de 'ciência lixo' e teóricos da conspiração por grupos pró-negócios como o Conselho Americano de Ciência e Saúde. É curioso, aliás, que esses malfeitores usem 'mais verdadeiro' como um insulto. Será talvez sua forma de admitir que a verdade está com seus adversários, a quem eles realmente ridicularizam não por estarem errados, mas por serem ingênuos?  

Microondas, Fitbits, 5G, 6G, Árvores, Abelhas

A ameaça dos telefones celulares à saúde humana é apenas uma pequena parte de um problema muito mais amplo. Existem muitos outros dispositivos eletrônicos emissores de radiação além dos telefones celulares. Com alguns deles as precauções são possíveis. Por exemplo: ajuda afastar-se alguns metros ao ligar o micro-ondas; e apesar do nome é melhor não usar laptop no colo! Com outros dispositivos, no entanto, a única precaução é não usá-los. Um desses - eu nunca tinha ouvido falar até fazer uma pesquisa para este artigo - é chamado de Fitbit. Você o usa no pulso como um relógio e monitora seu estado de saúde. Também pode causar irritação na pele, queimaduras e dor no pulso. Você não pode mantê-lo à distância; funciona apenas em contato direto com seu corpo. 

Além disso, a indústria de telecomunicações está promovendo esquemas de longo alcance para interconectar dispositivos e sensores em amplas áreas para formar 'cidades inteligentes' e uma 'internet das coisas'. O sistema atualmente em construção é rotulado como 5G, mas a próxima etapa – 6G – já está sendo planejada. É o impacto total desses sistemas que precisamos considerar. 

A menos que esses planos possam ser interrompidos, será cada vez mais difícil escapar da crescente 'poluição elétrica'. Eventualmente, os únicos espaços livres de radiação serão aqueles nas imediações dos radiotelescópios, que podem explorar os céus apenas na ausência de "ruído" estranho. Algumas pessoas ultrassensíveis à radiação já se refugiaram lá. 

Não são apenas os seres humanos cuja saúde está em perigo. Há evidências de que animais e plantas, especialmente árvores, também são afetados. A poluição atmosférica parece ter algo a ver com o declínio no número de abelhas e a deterioração de sua capacidade de polinização.

A conexão com o transumanismo

Há uma sobreposição considerável entre as aspirações dos tecnólogos que estão planejando esses sistemas futuristas de alta tecnologia e as ideias expressas pelos filósofos do transumanismo. Ambos procuram apagar a fronteira psicológica entre a experiência online e a vida real, fazendo com que a experiência online “pareça mais real”. Mesmo a fronteira entre os seres humanos e os computadores é tênue à medida que elementos computadorizados são anexados ou inseridos no corpo humano, enquanto as personalidades humanas são preservadas no ciberespaço como pacotes de software.

O ponto final é uma tecnosfera totalmente artificial imaginada além dos limites naturais; na realidade, a tecnosfera permanece dependente da natureza, mesmo que ela a degrade e destrua. Em última análise, portanto, é um meio de suicídio.       

Demanda do consumidor?

Na teoria da economia de 'livre mercado', as firmas capitalistas decidem o que produzir, em que quantidade e a que preço, em resposta à demanda dos consumidores. Na esfera das telecomunicações, certamente é óbvio que isso é besteira. Pouquíssimos consumidores entendem que tipo de distopia os tecnólogos da indústria têm reservado para eles. Como eles podem estar 'exigindo' isso? Com as mentes imersas em um fluxo constante de propaganda aberta e disfarçada sobre as maravilhas do 5G/6G, mantidas em uma feliz ignorância de todos os perigos associados, os consumidores são objetos de manipulação, não "atores de mercado" autônomos.  

Somente em uma sociedade socialista todos nós adquiriremos influência sobre as decisões de produção e consumo – não principalmente como consumidores, ou mesmo como produtores, mas como cidadãos bem informados moldando coletivamente nosso modo de vida – e como administradores responsáveis ​​do planeta em nome do futuro gerações.  

Aprender mais

O impacto biológico da tecnologia de emissão de radiação é um tópico muito complexo. Aqui eu apenas arranhei a superfície. Mas se eu abri seu apetite, aqui estão minhas recomendações para um estudo mais aprofundado.

Um dos principais cientistas no campo, bem como um popularizador, é o Dr. Devra Davis. O livro dela Desconectar: ​​a verdade sobre a radiação do telefone celular, o que a indústria está fazendo para escondê-la e como proteger sua família foi publicado em Nova York pela West 26th Imprensa de rua em 2015.

A última palestra em vídeo do Dr. Davis, apresentada em fevereiro de 2020, está em https://www.youtube.com/watch?v=-AeSoC6la9c. Não se deixe intimidar pela interrupção que começa às 04:30, devido a problemas técnicos. Pule para onde a conversa recomeça, às 11h50.

O Dr. Davis fundou o Fundo de Saúde Ambiental. Seu site em https://ehtrust.org/about/ é um rico recurso. 

Outro recurso valioso é o site da Cellular Phone Task Force em https://www.cellphonetaskforce.org

Dr. Joel Moskowitz, a quem mencionei acima, tem um site útil em https://www.saferemr.com. Ele tem uma apresentação em vídeo em 

Algumas declarações coletivas de cientistas feitas em 2017 e 2020:

https://www.actu-environnement.com/media/pdf/news-29640-appel-scientifiques-5g.pdf

https://phiremedical.org/wp-content/uploads/2020/11/2020-Non-Ionising-Radiation-Consensus-Statement.pdf

Finalmente, Moms Clean Air Force

Tags: 5G, 6G, telefones celulares, telecomunicações

Foto do autor
Cresci em Muswell Hill, no norte de Londres, e entrei para o Partido Socialista da Grã-Bretanha aos 16 anos. Depois de estudar matemática e estatística, trabalhei como estatístico do governo na década de 1970 antes de ingressar em Estudos Soviéticos na Universidade de Birmingham. Eu era ativo no movimento de desarmamento nuclear. Em 1989, mudei-me com minha família para Providence, Rhode Island, EUA, para assumir um cargo no corpo docente da Brown University, onde lecionei Relações Internacionais. Depois de deixar a Brown em 2000, trabalhei principalmente como tradutora de russo. Voltei ao Movimento Socialista Mundial por volta de 2005 e atualmente sou secretário-geral do Partido Socialista Mundial dos Estados Unidos. Escrevi dois livros: The Nuclear Predicament: Explorations in Soviet Ideology (Routledge, 1987) e Russian Fascism: Traditions, Tendencies, Movements (ME Sharpe, 2001) e mais artigos, artigos e capítulos de livros que gostaria de recordar.

Artigos Relacionados

Subscrever
Receber por
convidado
Este site usa o plug-in de verificação do usuário para reduzir o spam. Veja como seus dados de comentários são processados.
0 Comentários
Comentários em linha
Ver todos os comentários