Início » Blog » Ucrânia: nacionalistas em guerra

Crítica literária, Guerra

Ucrânia: nacionalistas em guerra

Nacionalistas radicais, incluindo fascistas e nazistas, desempenham um papel significativo na guerra na Ucrânia e um papel ainda mais significativo na guerra de propaganda. Putin justifica seu ataque à Ucrânia como uma cruzada para 'desnazificar' o país, enquanto alguns propagandistas pró-ucranianos descrevem o regime de Putin como fascista.

by Stephen Shenfield

Publicado em:

Atualizado:

3 min read

Špekaron, CC BY-SA 4.0, via Wikimedia Commons

Ilustração — Bandeira do Regimento de Azov

Dentro do brasão: o Gancho do Lobo, sobreposto às ondas do Mar de Azov. O círculo branco representa o Sol Negro. O Gancho do Lobo e o Sol Negro são símbolos nazistas clássicos. Ao fundo: o azul e o amarelo da bandeira ucraniana.

Nacionalistas radicais, incluindo fascistas e nazistas, desempenham um papel significativo na guerra na Ucrânia e um papel ainda mais significativo na guerra de propaganda. Putin justifica seu ataque à Ucrânia como uma cruzada para 'desnazificar' o país, enquanto alguns propagandistas pró-ucranianos descrevem o regime de Putin como fascista.[1]

Em um livro recente,[2] o jornalista Michael Colborne separa a verdade das mentiras e mitos sobre o Movimento Azov, nos últimos anos a estrutura mais proeminente da direita nacionalista ucraniana. O movimento originou-se como uma formação militar – um batalhão, depois um regimento lutando contra as forças pró-russas no Donbass – mas evoluiu para um complexo multifacetado, englobando um partido político (o Corpo Nacional), centros sociais, clubes esportivos e juvenis, militares campos de treinamento, projetos especiais e editoras. 

Escritores que procuram minimizar a importância da direita radical na Ucrânia apontam que o Azov – como seus antecessores, o Setor de Direita e o Partido da Liberdade – se saiu muito mal nas eleições. Se a Ucrânia fosse uma democracia estável em paz, esse poderia ser um argumento decisivo. Mas não é. Vários fatores dão a Azov uma influência desproporcional ao seu peso eleitoral. O ethos da unidade nacional em tempo de guerra e a reputação dos homens de Azov como bravos combatentes protegem o movimento de críticas, enquanto o patrocínio de alguns oligarcas e ministros do governo fornece acesso a recursos e facilita o uso e a ameaça de violência para intimidar os oponentes. 

Em condições de paz, Azov e outros grupos ultranacionalistas logo seriam relegados à margem da política ucraniana. É um produto da guerra e floresce na guerra. Não importa quantos homens Azov possa ter perdido na defesa de Mariupol, espero que em breve reponha suas fileiras. Se Putin está realmente invadindo a Ucrânia com o propósito de desnazificar, o que é duvidoso, ele dificilmente poderia ter escolhido uma maneira mais contraproducente de fazê-lo. 

A direita radical russa também participou ativamente da guerra, fornecendo muitos dos voluntários que foram lutar no Donbass desde 2014. Embora o regime de Putin tenha perseguido ou banido alguns grupos nacionalistas russos, colaborou com outros, dependendo em grande medida na atitude dos próprios grupos em relação ao regime. Assim, Alexander Dugin e Eduard Limonov, ex-co-líderes do Partido Nacional Bolchevique, seguiram caminhos separados: Dugin demonstrou lealdade a Putin e adquiriu influência dentro do regime, enquanto Limonov seguiu o caminho da oposição. Segundo Colborne, a Organização de Combate dos Nacionalistas Russos é um dos grupos próximos ao Kremlin, em cujo nome cometeu pelo menos dez assassinatos, incluindo os do advogado de direitos humanos Stanislav Markelov e da jornalista Anastasia Baburova em 2009.   

Em suas acusações mútuas de nazismo e fascismo, ambos os lados são 'panelas chamando a chaleira preta'.

Notavelmente, alguns nacionalistas russos radicais que se opõem a Putin optaram por desertar para a Ucrânia. Estima-se que 3,000 dos voluntários que lutam na Ucraniano lado vem da Rússia. Vários homens que costumavam ser proeminentes na extrema direita da Rússia – por exemplo, Alexei Levkin, fundador do culto hitlerista Wotanjugend – receberam cidadania ucraniana e agora estão associados ao Movimento Azov. Olena Semenyaka, secretária internacional do Corpo Nacional e ideóloga Azov, pertencia ao Movimento Eurasianista de Dugin (embora tenha nascido e crescido na Ucrânia). 

Os nacionalistas radicais russos e ucranianos competem pelo mesmo nicho na política mundial, como o centro de resistência aos desenvolvimentos recentes no Ocidente que eles percebem como 'decadentes' - ideias de direitos humanos e especialmente das minorias, multiculturalismo e multirracialismo, tolerância da homossexualidade, não -Religiões cristãs, e até mesmo ateísmo, libertação das mulheres, rejeição de papéis sexuais, etc. Os nacionalistas ucranianos e a maioria dos russos acreditam na 'Europa' - não, no entanto, na Europa de hoje, mas na Europa do passado, quando a Europa era inequivocamente 'branca' e ' Cristão.' 

No entanto, nem a Rússia nem a Ucrânia são idealmente colocados para preencher este nicho. A Rússia ainda é um estado multiétnico e multiconfessional – nem 'branco' nem 'cristão' o suficiente para os puristas. É isso que dá à identidade alternativa "eurasianista" um certo apelo na Rússia. Na Ucrânia – e também em alguns outros países da região centro-leste europeia, como Polônia e Hungria – a velha Europa ainda está intacta. "O coração da Europa bate no Oriente." E ainda geopoliticamente A Ucrânia é aliada e totalmente dependente da Europa 'decadente' do Ocidente. A luta com a Rússia é a principal prioridade, mas mais tarde a Ucrânia terá de se desvencilhar – a menos que possa ajudar a reviver – esta Europa 'decadente'.[3] 

A direita radical europeia acredita hoje em uma Europa unida, mas não homogeneizada, como a concebem os pensadores da Nova Direita francesa. 'Chega de guerras entre irmãos!' é um slogan popular. E, no entanto, os combatentes russos e ucranianos na guerra atual se encontram presos em uma "guerra de irmãos"!

Notas

[1] Veja: Alexander J. Motyl, 'A Rússia de Putin como um sistema político fascista,' Estudos Comunistas e Pós-Comunistas (2016), 49 (1), 25-36. O professor Motyl recentemente reafirmou sua opinião: 'Alexander Motyl: Sim, Putin e a Rússia são fascistas. Como eles atendem à definição do livro didático,' A Conversação, 31 de março de 2022. Para pareceres contrários, ver: Marlene Laruelle, A Rússia é fascista?: desvendando a propaganda do leste e do oeste (Cornell University Press, 2021); Andreas Umland, 'A Rússia de Putin é realmente “fascista”? Uma resposta a Alexander Motyl'.  

[2] Do fogo da guerra: o movimento Azov da Ucrânia e a extrema-direita global (Estugarda: ibidem-Verlag, 2022). 

[3] Veja entrevista com Michael Colborne, Março 29, 2022.

Foto do autor
Cresci em Muswell Hill, no norte de Londres, e entrei para o Partido Socialista da Grã-Bretanha aos 16 anos. Depois de estudar matemática e estatística, trabalhei como estatístico do governo na década de 1970 antes de ingressar em Estudos Soviéticos na Universidade de Birmingham. Eu era ativo no movimento de desarmamento nuclear. Em 1989, mudei-me com minha família para Providence, Rhode Island, EUA, para assumir um cargo no corpo docente da Brown University, onde lecionei Relações Internacionais. Depois de deixar a Brown em 2000, trabalhei principalmente como tradutora de russo. Voltei ao Movimento Socialista Mundial por volta de 2005 e atualmente sou secretário-geral do Partido Socialista Mundial dos Estados Unidos. Escrevi dois livros: The Nuclear Predicament: Explorations in Soviet Ideology (Routledge, 1987) e Russian Fascism: Traditions, Tendencies, Movements (ME Sharpe, 2001) e mais artigos, artigos e capítulos de livros que gostaria de recordar.

Artigos Relacionados

Subscrever
Receber por
convidado
Este site usa o plug-in de verificação do usuário para reduzir o spam. Veja como seus dados de comentários são processados.
0 Comentários
Comentários em linha
Ver todos os comentários