Início » A economia soviética: mais debate

A economia soviética: mais debate

Esta seção começa com um item da edição de janeiro de 1945 da O socialista ocidental, um antigo jornal do WSPUS. É uma versão abreviada de um artigo da trotskista Raya Dunayevskaya que apareceu na edição de setembro de 1944 da A revisão econômica americana. Esse artigo foi uma resposta a um artigo publicado em 1943 pela revista teórica soviética Pod znamenem markizma (Sob a bandeira do marxismo) e intitulado “Algumas questões no ensino da economia política” — artigo que estabelecia uma nova linha oficial na aplicação da economia política de Marx à sociedade soviética.

A questão em debate era: a lei do valor opera na União Soviética? A lei do valor é a teoria de Marx de como as forças de mercado moldam o comportamento das firmas capitalistas enquanto competem para produzir e vender mercadorias com lucro. A nova visão oficial era que a lei do valor, afinal, funcionava na União Soviética, mas que isso era consistente com a natureza socialista da economia. Dunayevskaya concordou que a lei do valor operava na União Soviética, mas interpretou isso como prova de que a economia era capitalista. Após o texto de Dunayevskaya apresento minha opinião pessoal, que é a de que a economia soviética não era nem capitalista nem socialista e que, apesar das aparências superficiais, a lei do valor não operava na União Soviética.

Uma nova revisão da economia marxista

Raya Dunayevskaya

. . . Observadores estrangeiros que acompanharam cuidadosamente o desenvolvimento da economia soviética há muito notaram que a União Soviética emprega quase todos os dispositivos convencionalmente associados ao capitalismo. Trusts, cartéis e associações soviéticas, bem como as empresas individuais dentro deles, são regulados de acordo com princípios estritos de contabilidade de custos. Os preços das commodities são baseados nos custos totais de produção, incluindo salários, matérias-primas, custos administrativos, encargos de amortização e juros mais o lucro planejado e os vários impostos cobrados como receita para a manutenção do estado. Essenciais para a operação da indústria soviética são dispositivos como bancos, crédito garantido, juros, títulos, letras, notas, seguros e assim por diante...

O artigo “Algumas questões de ensino da economia política” afirma que, embora a lei do valor opere na Rússia, ela funciona de forma alterada, que o estado soviético subordina a lei do valor e conscientemente faz uso de seu mecanismo no interesse do socialismo . A fim de mostrar que a operação da lei do valor é compatível com a existência do socialismo, o artigo cita aquelas passagens do Crítica do Programa de Gotha em que Marx afirma que em uma sociedade socialista, “como emerge da sociedade capitalista”, o trabalhador receberá em troca de uma determinada quantidade de trabalho o equivalente a esse trabalho em meios de consumo. Os presentes autores rejeitam, no entanto, a fórmula que decorre dessas passagens, a saber, que o trabalho será pago pela “medida natural do trabalho”: tempo. Isso, afirma o documento, não está em consonância com a experiência da Rússia, onde a mão-de-obra é altamente diferenciada segundo o grau de habilidade e quanto às diferenças intelectuais e físicas. Os autores, portanto, propõem um novo slogan: “distribuição de acordo com o trabalho”. Consideram que assim traduziram a lei do valor em função do socialismo. Deve-se notar que eles identificam assim completamente “distribuição de acordo com o trabalho” com distribuição de acordo com o valor.

Há evidências incontestáveis ​​de que existe na Rússia atualmente uma acentuada diferenciação de classe baseada na divisão de funções entre os trabalhadores, por um lado, e os gerentes da indústria, milionários colectivos [agricultores coletivos], líderes políticos e a intelectualidade em geral, de outro. . . Essa distinção entre [esses grupos privilegiados] e a massa dos trabalhadores encontrou sua expressão econômica na fórmula: “De cada um segundo sua capacidade, a cada um segundo seu trabalho”. Esta fórmula deve ser comparada com a fórmula marxista tradicional: “De cada um conforme sua capacidade, a cada um conforme sua necessidade”. “Cada um segundo a sua necessidade” sempre foi considerado um repúdio à lei do valor. O documento, no entanto, afirma que a “distribuição de acordo com o trabalho” deve ser efetuada através da instrumentalidade do dinheiro. Esse dinheiro não são notas de script ou algum termo contábil, mas dinheiro como a expressão de preço do valor. Segundo os autores, “a medida do trabalho e a medida do consumo em uma sociedade socialista só podem ser calculadas com base na lei do valor”.

Todo o significado do artigo, portanto, gira em torno de se é possível conceber a lei do valor funcionando em uma sociedade socialista, isto é, uma sociedade não exploradora.

Marx retomou da economia política clássica sua exposição da lei do valor no sentido de que o trabalho era a fonte do valor e o tempo de trabalho socialmente necessário o denominador comum que governava a troca de mercadorias. Marx, no entanto, extraiu dessa teoria do valor-trabalho sua teoria da mais-valia. Ele criticou a economia política clássica por confundir a aparente igualdade reinante no mercado de commodities com uma igualdade inerente. As leis da troca, afirmou Marx, só poderiam dar essa aparência de igualdade porque o valor, que regula a troca, é materializado trabalho humano. Quando a mercadoria, a força de trabalho, é comprada, trocam-se quantidades iguais de trabalho materializado. Mas como uma quantidade se materializa em um produto, o dinheiro, e a outra em uma pessoa viva, a pessoa viva pode ser e é levada a trabalhar além do tempo em que o trabalho por ela produzido se materializa nos meios de consumo necessários para sua reprodução. Para entender a natureza da produção capitalista, é necessário, portanto, afirmou Marx, deixar a esfera da troca e entrar na esfera da produção. Lá se descobriria que a natureza dual das mercadorias – seu valor de uso e valor – apenas reflete a natureza dual do trabalho – trabalho concreto e trabalho abstrato – nelas incorporado. Para Marx, o caráter dual do trabalho “é o pivô sobre o qual gira uma compreensão clara da economia política”. (1).

Marx chamou o processo de trabalho do capital de processo de alienação. O trabalho abstrato é trabalho alienado, o trabalho alienado não apenas do produto de seu trabalho, mas também em relação ao próprio processo de dispêndio de sua força de trabalho. Uma vez no processo de produção, a força de trabalho do trabalhador torna-se um “componente” do capital tanto quanto a maquinaria fixa ou o capital constante, que é, novamente, o trabalho materializado dos trabalhadores. Segundo Marx, Ricardo “vê apenas o determinação quantitativa do valor de troca, isto é, que é igual a uma determinada quantidade de tempo de trabalho; mas ele esquece o determinação qualitativa, que o trabalho individual deve, por meio de sua alienação, apresentar-se sob a forma de trabalho abstrato, universal e social. (2).

Em sua interpretação marxista, portanto, a lei de valor implica o uso do conceito de alienação ou trabalho explorado e, consequentemente, o conceito de mais-valia.

Até agora, todos os marxistas reconheceram esse fato. Até então a economia política soviética aderiu a essa interpretação. Em 1935, o Sr. A. Leontiev, um dos atuais editores da Pod znamenen Marksizma, escreveu: “A doutrina marxista da mais-valia é baseada, como vimos, em seu ensino de valor. É por isso que é importante manter o ensino de valor livre de todas as distorções porque a teoria da exploração é construída sobre ele” (3). E ainda: “É perfeitamente claro que essa divisão do trabalho em trabalho concreto e trabalho abstrato existe apenas em produção de mercadorias. Essa natureza dual do trabalho revela a contradição básica da produção de mercadorias”. (4).

O novo artigo contradiz esta teoria e sua interpretação passada. Reconhece a existência na Rússia de trabalho concreto e abstrato, mas nega a contradição inerente à natureza dual do trabalho. Reconhece o pivô sobre o qual gira a economia política, mas nega a base da exploração que, para todos os marxistas, bem como para todos os oponentes do marxismo, tem sido até agora a essência da análise marxista. Este é o problema que o artigo deve resolver. É interessante observar como isso é feito.

No lugar da exploração de classe, que era a base da análise marxista, a nova generalização teórica procede do fato empírico da existência da URSS, assume que o socialismo está irrevogavelmente estabelecido e então propõe certas “leis em uma sociedade socialista”. Estes são [1] a industrialização da economia nacional e [2] a coletivização da agricultura da nação. Deve ser declarado aqui que ambas as leis não são leis de forma alguma. As leis são uma descrição do comportamento econômico. As “leis” mencionadas no artigo são declarações de fato. O que segue as leis como uma manifestação da “necessidade objetiva de uma sociedade socialista” “distribuição de acordo com o trabalho” – participa do caráter de uma lei. A “necessidade objetiva”, deve-se observar, não surge das leis econômicas; as leis econômicas surgem da necessidade objetiva; pode, é claro, manifestar-se de forma diferente na União Soviética, mas as manifestações que os presentes autores citam são precisamente as que emanam da sociedade capitalista. O documento falha em fazer qualquer conexão lógica entre a nova base, “socialismo”, e a lei característica da produção capitalista – a lei do valor. A implicação de que o Estado é realmente "para" o princípio de pagar o trabalho de acordo com as necessidades, mas é forçado pela necessidade objetiva a pagar de acordo com o valor é precisamente o cerne da teoria marxista do valor. A manifestação suprema da interpretação marxista da lei do valor é que a força de trabalho, exatamente como qualquer outra mercadoria, é paga pelo valor, ou recebe apenas o que é socialmente necessário para sua reprodução.

. . . O artigo argumenta que a lei do valor opera não apenas no capitalismo, mas também existe desde tempos imemoriais. Como prova, cita-se sua existência atual na União Soviética e faz-se referência à afirmação de Engels de que a lei do valor existe há cerca de cinco a sete mil anos. A afirmação de Engels, entretanto, está contida em um artigo no qual ele trata da lei do valor apenas na medida em que os preços das mercadorias refletem o valor exato das mercadorias. A tese marxista é que quanto mais atrasada a economia, mais exatamente os preços das mercadorias individuais refletem o valor; quanto mais avançada a economia, mais os preços das commodities se desviam; eles então vendem a preços de produção embora no agregar todos os preços são iguais a todos os valores. Nesse sentido, afirma Engels, a lei do valor opera há milhares de anos; ou seja, desde a simples troca e até produção capitalista. (5).

Que Engels não se afastou de forma alguma do valor como uma relação de exploração característica apenas da produção capitalista pode ser melhor visto no prefácio do próprio Sr. Leontiev para aquele pequeno livreto, Engels no Capital. Ali o economista soviético diz: “Onde, nas mãos dos teóricos social-democratas da época da Segunda Internacional, as categorias de valor, dinheiro, mais-valia etc. esfera de troca e muito distante das condições da luta revolucionária do proletariado, Engels mostra a ligação mais íntima e indissolúvel que essas categorias têm com as relações entre as classes no processo de produção material, com o agravamento das contradições de classe, com a inevitabilidade da revolução proletária”. (6).

O valor, escreveu Engels, é “uma categoria característica apenas da produção de mercadorias e, assim como não existia antes da produção de mercadorias, também desaparecerá com a abolição da produção de mercadorias”. (7). Seria um absurdo absoluto, argumentou Engels, “criar uma sociedade na qual finalmente os produtores controlem seus produtos pela aplicação lógica de uma categoria econômica (valor) que é a expressão mais abrangente da sujeição dos produtores por seus próprios produtos." (8). No último escrito teórico que temos da pena de Marx, uma crítica à obra de A. Wagner Allgemeine ou theoretische Volkswirtschaftslehre, Marx castiga “o pressuposto de que a teoria do valor desenvolvida para a explicação da sociedade burguesa tem validade para o 'estado socialista de Marx'. ” (9).

Na opinião deste escritor, nada no artigo contradiz essa coexistência firmemente estabelecida da lei do valor com a produção capitalista.

Note. O seguinte comentário final parece ter sido adicionado pelos editores da O socialista ocidental.

O que é importante é que esta revisão do pensamento marxista A economia, na verdade, reflete a realidade econômica de Rússia — CAPITALISMO.

Referências

(1) Capital (Chicago, Kerr, 1909) vol. 1, pág. 18.

(2) Teorias da mais-valia. Vol. 2, pp. 183-84 (impresso em russo)

(3) Economia política, um curso para iniciantes (Nova York, Internat. Publishers, 1935), p. 38.

(4) Ibid., P. 58.

(5) Engels no Capital (Nova York, Internat. Publishers, 1937), p. 106.

(6) Engels sobre o Capital. A tradução inglesa não traz este prefácio, publicado pelo Instituto Marx-Engels-Lenin sob a supervisão do Comitê Central do Partido Comunista Russo.

(7) Obras de Marx-Engels, Vol. XXVII, pág. 408 (impresso em russo).

(8) A revolução de Herr Eugen Duhring na ciência (Nova York, Internat. Publishers), p. 347.

(9) Arquivos de Marx-Engels. Vol. V pág. 59, Ed. Adoratsky (impresso em russo).

Resposta: Não, a economia soviética não era capitalista

Stephen Shenfield

É verdade que categorias como dinheiro, salários, preços, custos, lucros e juros existiam na União Soviética. Isso, no entanto, não prova que a economia soviética era capitalista. Esses fenômenos não são exclusivos do capitalismo. Eles existiram na antiguidade greco-romana e no feudalismo. O que define o capitalismo é o padrão geral de relações que chamamos de “capital” e que Marx analisou em Capital e outras obras. A força motriz que sustenta esse padrão de relações de acordo com a lei do valor é a competição entre capitais — isto é, unidades produtoras de mercadorias de propriedade e controle separados — para vender sua produção com lucro no mercado. Essas unidades podem ser chamadas de empreendimentos, firmas, companhias, corporações, fundos, etc., embora alguns desses termos também sejam usados ​​para subunidades totalmente sob o controle de uma unidade maior. Mas, em algum nível, deve haver uma multiplicidade de capitais para que o sistema geral funcione como capitalismo.

No sistema soviético, todas as unidades de produção eram de propriedade e controladas por uma autoridade política central. Para facilitar a administração, eles foram agrupados em unidades sucessivamente maiores, mas a forma como isso foi feito foi decidida pela autoridade central, que tinha o poder de reorganizar a estrutura a qualquer momento. Sob Stalin, as empresas industriais estavam subordinadas aos ministérios de diferentes ramos da indústria, mas Khrushchev decidiu abolir esses ministérios e subordinar as empresas aos conselhos econômicos regionais. Os sucessores de Khrushchev decidiram retornar ao sistema ministerial, embora não da mesma forma que sob Stalin. Empresas estreitamente relacionadas foram fundidas em “associações de produção”. Meu ponto aqui é que as subunidades não tinham meios de bloquear tais mudanças se a autoridade central as tivesse decidido. Não havia capitais separadas.

Alguns proponentes da visão de que a União Soviética era capitalista encontram o que pensam ser uma maneira de contornar esse problema. Eles reconhecem a ausência de capitais separados dentro da economia soviética, mas sugerem que todo o país funcionava como uma única corporação capitalista - URSS, Inc. De fato, a União Soviética estava envolvida em competição com outras potências, mas essa competição era principalmente militar. É verdade que a URSS competia com outros produtores para vender armas no mercado mundial, por exemplo, mas isso parece uma base fraca para definir a natureza do sistema econômico como um todo.

É verdade que as empresas soviéticas eram obrigadas a se envolver em contabilidade de custos e manter contas no banco estatal. A autoridade central considerou isso uma forma (ao lado de outras) de monitorar sua atividade – o chamado “controle pelo rublo”. Isso pode ser comparado a uma grande corporação capitalista que impõe tais práticas a “centros de lucro” subordinados. Uma empresa separada que falha persistentemente em obter lucro irá à falência ou sucumbirá a uma aquisição hostil. O destino de uma unidade subordinada nessa situação será decidido pelos níveis superiores de gerenciamento, que podem encontrar motivos para preservar a subunidade enquanto tentam melhorar seu desempenho. No sistema soviético, uma empresa deficitária que produzisse uma produção considerada essencial pelos militares poderia contar com o resgate.

Dunayevskaya menciona como na União Soviética os preços dos bens são fixados levando em consideração o “lucro planejado” (entre outros fatores). Um pouco de reflexão mostrará que isso não é o mesmo que acontece no capitalismo. Uma empresa capitalista pode ter como objetivo vender a um preço predefinido, mas se ela pode realmente fazê-lo depende da interação de mercado de oferta e demanda (a menos que goze de um monopólio). Na economia soviética, os preços eram fixados antecipadamente, sob o controle final da autoridade central. O lucro figurava entre os indicadores em que se baseavam os bônus dos gerentes de empresas, mas por muitos anos foi considerado menos importante do que a produção bruta. O lucro recebeu um papel maior pelas reformas Kosygin de 1965, mas mesmo assim os gerentes não pretendiam maximizar lucro, como fazem os capitalistas, mas apenas para cumprir o plano de lucro. O cumprimento do plano era suficiente para obter o bônus, embora significativo Acima deo cumprimento implicava o risco de receber uma meta planejada inatingivelmente alta para o período de tempo seguinte (prática conhecida como “planejar a partir do nível alcançado”).

Meu argumento é que a economia soviética não era capitalista no sentido de corresponder ao padrão de relações analisado por Marx em Capital. Se você quiser considerá-lo capitalista – e pode haver razões perfeitamente boas para fazê-lo – então você deve expandir seu conceito de capitalismo para englobá-lo. Eu discuto isso mais adiante SUA PARTICIPAÇÃO FAZ A DIFERENÇA.

Não é preciso dizer, mas vou dizer de qualquer maneira, que não considero o sistema soviético como socialista. Acho que, ao considerar a gama de possíveis sociedades modernas, precisamos de um conjunto mais diversificado de conceitos do que a simples dicotomia capitalismo versus socialismo.

Esta não é a visão “mainstream” do Movimento Socialista Mundial, mas é uma visão baseada em vários anos de estudo da economia de tipo soviético, incluindo pesquisas originais.